Pinheirão é a nova preocupação de Tite

O campo ruim do Pinheirão é a nova preocupação de Tite. O técnico resolveu até alterar o local do treinamento para que seus jogadores pudessem treinar num gramado compatível ao que enfrentarão no domingo, contra o Paraná. O coletivo de amanhã, que estava programado para o Parque São Jorge, às 16h, foi transferido para o Parque Ecológico do Tietê. O treinador também teve o cuidado de agendar o treino para o campo número 2, ou seja, o que está em pior estado. Hoje, os jogadores do Corinthians já treinaram naquele campo. Não fizeram um treino tão completo como um coletivo, mas foi possível perceber quais serão as principais dificuldades no domingo. "Num campo ruim a bola quica mais, o domínio fica mais difícil. É ruim para todo mundo, mas especialmente para os atacantes e para os goleiros", avisa o atacante Gil. Quem trouxe a informação sobre o péssimo estado do gramado do Pinheirão foi o auxiliar-técnico Joel Cornelli, que acompanhou dois jogos do adversário. O fato foi um dos temas da reunião de quarta-feira, entre Tite e seus jogadores. O treinador prevê um jogo de pouca técnica por causa do gramado ruim. Já traçou um esboço de como será a partida. "Será um jogo com muito contato físico, um jogo mais brigado. Bom para quem estiver sem a bola", acrescenta Gil. "Claro que vai ter gente dizendo que o campo é ruim para os dois times. Aliás, não vamos deixar que o campo ruim desvie o nosso foco. Mas é importante saber o que teremos pela frente. Por isso é que nós treinamos num campo ruim". A idéia de Tite era não revelar mais essa preocupação. Ele chegou a sugerir ao grupo que o assunto - discutido na reunião de quarta-feira - ficasse só entre a Comissão Técnica e os jogadores. Mas o meia Fábio Baiano, inocentemente, levou a público o fato. "Já treinamos hoje no pior campo exatamente por isso. O Joel viu dois jogos do Paraná e nos alertou quanto ao estado do gramado, que está bastante ruim. Vai ser um jogo de força e de contato físico. Isso pode ser até bom porque nosso time também é forte". A previsão de um jogo de muito contato físico também fez o treinador alterar o que tinha em mente. Na entrevista de terça-feira, Tite chegou a dizer que faria de tudo para tornar o ataque mais eficiente. Falou em jogar com três atacantes, com dois meias ofensivos e até admitiu abandonar o esquema 3-5-2. No coletivo de quarta-feira, porém, a equipe treinou exatamente como vinha jogando. "Não houve mudança nenhuma até agora", confirmou Fábio Baiano. "A menos que ele esteja pensando em fazer as alterações no coletivo de amanhã". A maior novidade da equipe será a presença de Fábio Baiano no meio-de-campo. Ele só não enfrentou o Coritiba, no sábado, porque estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Outro que volta é o volante Wendell. A questão a ser definida no coletivo desta sexta é saber quem atuará ao lado de Gil. Jô, que sentiu um mal estar na quarta-feira, já está bem. Deve disputar o lugar com Marcelo Ramos. Os dois não marcam gols há várias rodadas. O último de Marcelo foi contra o Figueirense, de pênalti, em 11 de agosto. O de Jô foi contra o Palmeiras, no dia 29 do mesmo mês. Para completar o quadro pessimista, o outro atacante, Gil, não balança a rede desde 8 de setembro, contra o Guarani. A saída, para alguns atacantes foi se espelhar na concorrência. "Esse tipo de cobrança é normal", assinala Gil. "Vocês não vêem o São Paulo? Há pouco tempo todo mundo cobrava a falta de gols. Hoje, o São Paulo está brigando pela Libertadores. Com o Corinthians, pode acontecer a mesma coisa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.