Pinilla acusa assessor da CBF e pede punição mais dura

A Fifa suspendeu o diretor de comunicação Rodrigo Paiva por uma partida, após ele ter sido acusado de dar um soco no jogador chileno

Leandro Silveira - enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2014 | 14h55

O atacante chileno Mauricio Pinilla se pronunciou nesta segunda-feira sobre a punição imposta pela Fifa a Rodrigo Paiva, diretor de comunicação da CBF, e não economizou nas críticas ao também assessor de imprensa da seleção brasileira, o classificando como "delinquente". Além disso, considerou a suspensão por um jogo branda demais, a comparando com o caso do atacante Luis Suárez, suspenso por nove jogos e excluído da Copa do Mundo.

"O senhor Rodrigo Paiva, chefe de imprensa do Brasil, me agrediu com um soco no túnel sem razão. A Fifa não pode acobertar esse delinquente", escreveu Pinilla em seu perfil no Twitter, rede de microblogs na internet. "A Fifa tem que intervir, é algo gravíssimo. Não pode vir qualquer idiota e agredir um jogador, muito menos um chefe de imprensa", completou.

No último sábado, no intervalo da partida entre Brasil e Chile, pelas oitavas de final da Copa, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, uma confusão começou dentro de campo, quando o árbitro inglês Howard Webb apitou o final do primeiro tempo. Fred e Gary Medel se estranharam e o caso acabou ganhando proporções maiores no caminho para o vestiário.

Jogadores chilenos acusaram Rodrigo Paiva de ter acertado um soco em Pinilla. O diretor de comunicação da CBF alega que apenas se defendeu, empurrando o atacante. Nesta segunda, a Fifa anunciou a suspensão do assessor por um jogo, o que irritou o atleta do Chile. Pinilla, inclusive, comparou o caso com a suspensão de Suárez por nove jogos após morder o italiano Chiellini.

"Uma partida para Rodrigo Paiva? Vergonha! É um delinquente disfarçado de bandido. Suárez por uma mordida arrisca sua carreira. Um chefe de imprensa pega uma partida por um soco na cara? Fifa? Exijo à Fifa uma punição exemplar para Rodrigo Paiva igual a do meu colega Suárez. Isto é mais grave ainda", finalizou.

A CBF tem até 19 horas desta terça para apresentar a sua defesa, mas ainda não se manifestou de forma oficial. A Fifa também pode punir outros envolvidos no incidente, ocorrido no intervalo da partida que classificou o Brasil para as quartas de final da Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.