Sergei Ilnitsky/EFE
Sergei Ilnitsky/EFE

Pizzi promete Arábia Saudita ofensiva e descarta marcação especial em Salah

Seleções fazem jogo para cumprir tabela nesta segunda-feira, às 11 horas (de Brasília)

Estadão Conteúdo

24 Junho 2018 | 15h54

Já eliminada da Copa do Mundo da Rússia, a Arábia Saudita joga pela honra contra o Egito nesta segunda-feira, às 11 horas (de Brasília), em Volgogrado. O técnico Juan Antonio Pizzi garantiu que não vai poupar ninguém do jogo de despedida do torneio, prometeu que o time jogará para frente e descartou marcação especial no craque Mohamed Salah.

+ Cúper diz que Egito buscará vitória em despedida da Copa para dar alegria ao país

"Eu sou partidário de que quando você tem a proposta de ser ofensivo, o jogador se sente mais participativo e se identifica mais com essa forma de jogo. Em todas as partidas tentamos repetir isso. Apesar disso, sabemos das nossas limitações e também vamos enfrentar um time que vai tentar dificultar as coisas para a gente", afirmou Pizzi.

O treinador argentino, cujo futuro no comando da seleção árabe ainda é incerto, explicou que considera mais efetivo não fazer marcação individual em Salah. Assim ele repetirá a orientação da partida contra o Uruguai, em que Suárez e Cavani não tiveram atenção especial dos marcadores.

"Não fizemos uma marcação específica em cima de Suárez e Cavani. Mas claro que detectamos as virtudes dos uruguaios. Porque quando se tem esses jogadores, com essas muitas virtudes, o sistema defensivo sofre e é mais incômodo para se deslocar em campo. No caso do Salah é o mesmo. Ele tem muitas qualidades. Claro que temos que tomar cuidado, mas não especificamente com ele e sim de maneiras gerais. Vamos fazer uma formação que a gente possa anulá-los ofensivamente", avaliou.

Apesar das derrotas para Rússia e Uruguai que eliminaram a equipe antecipadamente da competição, Pizzi diz estar satisfeito com o rendimento dos seus jogadores e afirmou que a preparação foi adequada e o planejamento saiu como esperado.

 

"É muito fácil para mim, depois de qualquer placar adverso, apresentar motivos ou coisas que eu pudesse modificar. De maneira geral, estou satisfeito em como planejamos as coisas, como fizemos a preparação. Infelizmente tivemos um golpe duríssimo na primeira partida e nos incomodou para as outras partidas", comentou.

O principal objetivo dos sauditas na última partida neste Mundial da Rússia é conseguir a primeira vitória da seleção desde a Copa de 1994, disputada nos Estados Unidos. Para que isso aconteça, Pizzi assegura que escalará os melhores jogadores que tiver à disposição.

"Vamos colocar o melhor time possível. Temos 23 jogadores e vou escolher os 11 melhores para entrar em campo. É um jogo extremamente importante para nós. Eu e os jogadores damos muita importância e vamos colocar os melhores titulares possíveis", finalizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.