Plano B em caso de exclusão de Curitiba está em andamento há 15 dias

São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte se dispuseram a receber jogos designados para a cidade

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

18 de fevereiro de 2014 | 05h18

CURITIBA - Há 15 dias a Fifa começou a trabalhar de fato em um plano B para o caso de exclusão da Arena da Baixada da Copa. Um representante da entidade consultou São Paulo sobre o interesse em sediar mais uma partida. Com seis jogos marcados para a Arena Corinthians no Mundial, a cidade se colocou à disposição da Fifa caso necessário.

A mesma consulta foi feita a Porto Alegre e a Belo Horizonte, com sinal positivo. O Rio de Janeiro é a outra opção da Fifa para receber um dos quatro jogos designados para Curitiba.

A tabela da Copa, sorteada em 6 de dezembro passado, colocou em Curitiba os jogos entre Irã x Nigéria (16 de junho), Honduras x Equador (20), Espanha x Austrália (23) e Argélia x Rússia (26).

RESERVAS DEVOLVIDAS

No início de fevereiro a Match, empresa credenciada pela Fifa para vender pacotes de viagem ligados ao Mundial, devolveu 20% das 13 mil reservas de leitos que havia feito para Curitiba. O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná (Abih-Pr), Henrique Lenz César Filho, confirma o cancelamento, mas diz não ter relação com a ameaça de a Arena da Baixada ficar fora da Copa.

"Eu acredito que isso aconteceu porque o sorteio não foi muito favorável para a cidade. Tem apenas um jogo de grande interesse (Espanha x Austrália)'', disse ao Estado. Cidades como Fortaleza e Porto Alegre também tiveram reservas devolvidas. Lenz não quer nem pensar na hipótese de a capital paranaense ser excluída do Mundial e afirma que o prejuízo para o ramo hoteleiro e de turismo seria "incalculável". Há estimativas que apontam para um prejuízo de mais de R$ 1 bilhão para o setor de turismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.