Rafael Ribeiro|CBF
Rafael Ribeiro|CBF

Plano de voo da CBF inicia um mês antes da convocação

Mapeamento preliminar é feito sem contato com os atletas

Almir Leite e Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2016 | 17h00

Um dos maiores desafios dos administradores logísticos da CBF é preparar os planos de voos para os jogadores convocados. Um mês antes do anúncio, a equipe começa a bloquear os voos dos destinos onde estão cerca de 60 jogadores que são monitorados pela seleção antes da lista final. Esse mapeamento preliminar é feito sem contato com os atletas. 

Depois da divulgação dos convocados, a equipe de logística analisa o último jogo de cada um pelo clube e oferece duas ou três opções de voo, fazendo contatos individuais. A dificuldade está em adaptar os voos disponíveis às necessidades da seleção. "A gente tenta colocar o jogador na concentração da seleção o mais rápido possível", afirma o administrador da seleção, Luís Vagner Vivian. 

No dia da partida, os jogadores têm o horário do café da manhã livre, tomam um lanche reforçado antes do saída da concentração e vão para o estádio com o ônibus (existe outro de backup) e a van de segurança. Já os roupeiros, massagistas e seguranças vão antes, logo depois da abertura dos portões. Aí, começa o protocolo da organização, com aquecimento, checagem de números, conferência da documentação dos jogadores. A programação no estádio termina no exame antidoping e na entrevista dos jogadores e na zona mista. 

ANTECEDÊNCIA

O cronograma desse time que atua nos bastidores é bem diferente daquele que entra em campo. A participação na Copa América, por exemplo, começou seis meses antes, lá em dezembro. Sete pessoas de áreas diferentes viajam em geral duas vezes para conhecer o terreno. Na primeira, analisam hotéis, centros de treinamentos, condições de trânsito e do entorno, áreas de risco, aeroporto e imigração. Na segunda, um mês antes do torneio, acertam os últimos detalhes e refazem tudo o que foi planejado. 

Os locais dos próximos jogos da seleção nas Eliminatórias, Venezuela, Equador e Peru, por exemplo, já foram visitados. Existe certa preocupação em relação à Venezuela, que vive um momento político conturbado. 

Até a preparação para a Copa do Mundo da Rússia, que exige um planejamento com três anos de antecedência, também já começou, mesmo que o Brasil ainda dispute as Eliminatórias. "Os locais onde vamos ficar já estão mais ou menos programados", diz Gilmar Rinaldi, coordenador de seleções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.