Tom Hevezi/EFE
Tom Hevezi/EFE

Platini declara que jogar Copa do Mundo do Catar no verão é 'impossível'

Para a Uefa, a prioridade é a de garantir que o Mundial não afete a Liga dos Campeões

Jamil Chade, O Estado de S. Paulo

13 de janeiro de 2014 | 10h21

ZURIQUE - O presidente da Uefa, Michel Platini, diz que jogar a Copa do Mundo de 2022 no Catar no verão é "impossível" e que sempre defendeu que o torneio fosse mudado para o inverno no hemisfério Norte. Há poucos dias, o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, anunciou que a entidade não organizaria o torneio no verão, pela primeira vez em mais de 80 anos. Pressionado por clubes europeus, a Fifa acabou desmentindo seu próprio executivo, justificando que todos serão consultados antes que uma data seja definida.

À imprensa brasileira, Platini confirmou que apoia a ideia de modificar a data. "É impossível jogar no verão", disse o francês. Platini foi acusado pela revista FranceFootball de ter feito parte do esquema montado pelo Catar para levar o torneio para o Oriente Médio. Americanos e australianos, que concorriam para organizar a Copa em 2022, agora acusam a Fifa de não ter sido justa no processo e de não ter aberto o debate sobre as datas da Copa no momento da escolha.

Nesta segunda, em Zurique, Platini deu outra explicação. "Eu sempre disse que a Copa teria de ser no inverno. Antes mesmo de o Catar ser eleito, eu ja dizia que apoiava, se fosse no inverno", se defendeu.

Quanto às datas exatas, Platini deixa o assunto em aberto. "É a família do futebol que precisa decidir", disse. Valcke citou que o torneio poderia ocorrer entre novembro de 2022 e janeiro de 2023.

Para a Uefa, porém, a prioridade é a de garantir que a Copa não afeta seu principal torneio, a Liga dos Campeões. Já os clubes ingleses não querem um impacto em seu calendário local. No Comitê Olímpico Internacional, o temor é de um choque com as Olimpíadas de Inverno. Para as emissoras americanas, o temor é de que a Copa caia no mesmo período do Super Bowl.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.