Platini diz que Uefa não vai tolerar casos de corrupção

Presidente da entidade adverte que culpados por qualquer ilegalidade serão banidos do mundo do futebol

EFE,

24 de fevereiro de 2010 | 12h48

O presidente da Uefa, Michel Platini, pediu hoje "ajuda ao mundo do futebol" para acabar com a corrupção no esporte, e advertiu jogadores, treinadores, árbitros e dirigentes de que "não haverá tolerância" com aqueles que cuja participação em fraudes for comprovada.

"Qualquer jogador que for surpreendido em casos assim nunca mais poderá voltar ao futebol. Aqueles que corromperem o esporte em termos de arbitragem não voltarão a arbitrar. Todo presidente ou treinador que se corromper não voltará a administrar ou treinar.

Essa é a vontade do presidente e do Comitê Executivo da Uefa. Não podemos tratar esse tema superficialmente", disse.

Platini aplaudiu a decisão do Comitê de Controle e Disciplina da Uefa, que baniu o árbitro sérvio Novo Panic e suspendeu o assistente croata Tomislav Setka até 30 de junho do ano que vem por estarem envolvidos em um esquema de manipulação de resultados. Outro auxiliar, o ucraniano Oleg Oriekhov, foi suspenso preventivamente por 30 dias, até ter seu caso analisado.

"Prometi ações firmes e contundentes contra qualquer culpado de corrupção. Com a decisão, significa que estamos pondo em prática essas palavras", afirmou o dirigente francês.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolUefaMichel Platinicorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.