Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Platini irá à CAS contra suspensão e sua defesa vê investigação 'parcial'

Francês está punido pela Fifa por 90 dias por suspeita de propina

Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2015 | 16h45

Pouco depois de a Fifa anunciar nesta quarta-feira que rejeitou as apelações apresentadas por Michel Platini e Joseph Blatter contra a suspensão de 90 dias aplicada aos dois dirigentes, os advogados do francês se manifestaram, por meio de um comunicado, para avisar que o ex-jogador irá acionar a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) para tentar reverter a situação de seu cliente.

Platini e Blatter acabaram sendo punidos por causa de um pagamento de US$ 2 milhões feito pelo suíço ao francês, em um depósito que ocorreu nove anos após um suposto trabalho feito pelo presidente da Uefa ao mandatário da entidade que controla o futebol mundial.

As suspeitas são de que o pagamento seria uma forma que Blatter encontrou para compensar o francês a não disputar as eleições presidenciais da Fifa em 2011, o que Platini nega, além de alegar que a transação financeira foi legal. Os investigadores, porém, alertam que o caso ainda implicaria numa falsificação do balanço financeiro da Fifa, que jamais incluiu o valor em seus informes.

Ao rebater a nova decisão da Fifa, os advogados de Platini criticaram a investigação promovida pela entidade e a qualificaram como "excepcionalmente unilateral, injusta e parcial". Para completar, a defesa do presidente suspenso da Uefa disseram que a organização que controla o futebol mundial "também está organizando, e já nem sequer esconde, uma estratégia deliberada e inaceitável para atrasar a campanha de Michel Platini à presidência da Fifa".

Clifford Chance, porta-voz dos advogados de Platini, ainda admitiram que essa decisão da Fifa de negar a apelação contra a suspensão de 90 dias "não é de surpreender", o que indica que eles já contavam previamente com a possibilidade de acionar a CAS para tentar anular a suspensão aplicada ao francês no mês passado. E o comunicado desta quarta destaca que a CAS, máximo tribunal esportivo mundial, está livre de "pressões exercidas dentro da Fifa", assim como diz ter plena confiança de que o mesmo "devolverá os direitos" do francês.

No último dia 12, a Fifa recusou o pedido de candidatura de Platini à presidência da entidade, cujas eleições ocorrerão em 26 de outubro, e confirmou como candidatos apenas cinco nomes: Ali Al Hussein, Salman Bin Ebrahim Al Khalifa, Jérôme Champagne, Tokyo Sexwale e Gianni Infantino, este último secretário-geral da Uefa, que abriria mão de concorrer ao cargo se Platini fosse liberado a participar do pleito.

Com a apelação rejeitada, Platini não poderá fazer uma desejada campanha para presidente da Fifa, cargo para o qual o francês era apontado como favorito a assumir antes da revelação do escândalo que envolve o pagamento que recebeu de Blatter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.