Dietmar Stiplovsek/EFE
Dietmar Stiplovsek/EFE

Platini reitera oposição ao uso de tecnologia no futebol

Para presidente da Uefa, artifício tecnológico pode tornar o jogo 'um futebol de Playstation'

AE-AP, Agência Estado

25 de outubro de 2010 | 10h25

O presidente da Uefa, Michel Platini, reiterou nesta segunda-feira que é contrário ao uso de tecnologia para avaliar se a bola ultrapassou a linha do gol em lances duvidosos. Em sua opinião, o artifício pode tornar o jogo "um futebol de Playstation".

A International Board, entidade que controla as regras do futebol, reabriu na semana passada as discussões sobre o uso de tecnologia em lances de gols duvidosos. Alguns sistemas protótipos devem ser testados até o fim de novembro e o resultado será discutido na próxima reunião da entidade, entre os dias 4 e 6 de março de 2011.

Mas como já havia feito anteriormente, Platini se declarou contrário ao uso de tecnologia e disse que a utilização de assistentes extras, colocados atrás dos gols, é preferível. O sistema foi utilizado na última Liga Europa e está sendo testado na atual edição da Liga dos Campeões.

"Um juiz não é suficiente, não na era moderna quando você tem 20 câmeras acompanhando o jogo. É injusto, as câmeras podem ver tudo, mas o árbitro tem apenas um par de olhos. Toda vez que um erro é cometido, as câmeras estão lá para mostrar", avaliou Platini, defendendo a utilização de mais assistentes.

"É por isto que temos a utilização de dois assistentes a mais na Liga dos Campeões. É um caminho lógico com essas câmeras que podem flagrar tantos incidentes: quanto mais olhos ajudando o árbitro, maior a chance de diminuir estes incidentes", acrescentou o dirigente.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPlatinitecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.