PM arma esquema de guerra para clássico

O major Walter Gomes, responsável pelo policiamento do jogo entre Palmeiras e São Paulo, amanhã, no Palestra Itália, admite que o confronto ?não é dos mais fáceis? para a Polícia Militar. "Dentro do estádio contaremos com 180 homens. Ainda estamos negociando o número de policiais do lado de fora, mas vamos contar com o apoio do 23º DP, da Cavalaria e do Choque. Devem ser 360 homens no total."O major revela que a PM aconselhou que o jogo fosse realizado em outro local. "Dependendo dos estádios, o policiamento é mais difícil de ser feito. O Parque Antártica é um desses locais. A PM fez uma solicitação para que o jogo fosse realizado só com a torcida do Palmeiras, e o segundo só com a do São Paulo, mas isso não foi aceito", declarou o major. "Esse esquema já é utilizado em na Argentina."Neste domingo, o major se reuniu com representantes da organizada Independente, do São Paulo. "Conversamos sobre a conduta que os torcedores devem adotar, como não entoar cantos provocativos e seguir alguns itinerários para evitar confrontos com os palmeirenses. Se eles tomarem essas medidas, não deve haver problemas."A entrada dos são-paulinos será pela rua Padre Antônio Tomás, que estará interditada, assim como a Turiaçu, por onde entrarão os palmeirenses. A Francisco Matarazzo não estará interditada, será utilizada para a entrada e saída dos palmeirenses.O metrô também terá um esquema especial de segurança . Segundo a assessoria de imprensa, 100 homens reforçarão o acompanhamento das torcidas ao lado de outros 200 agentes de segurança. Os pontos principais: estações Barra Funda e Sé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.