PM considera positiva operação antibriga de torcidas

A operação da Polícia Militar para evitar brigas de torcedores na capital paulista no domingo - quando jogaram, em horários próximos e até ao mesmo tempo - Corinthians, São Paulo e Santos, foi considerada positiva pela Polícia Militar, já que apenas uma ocorrência foi registrada, um início de briga na Estação Barra Funda, do Metrô. O único porém veio dos torcedores, que se queixaram da forma como realizada a operação. Muitos consideraram que os policiais envolvidos foram excessivamente rígidos no trato com quem foi aos estádios, citando como exemplo as filas que se formaram no Estádio Palestra Itália para a partida Santos 2 x 1 Rio Claro, já que era possível entrar apenas pelos portões da avenida Francisco Matarazzo."Não houve excesso, apenas o procedimento foi adequado, com uma certa cautela. Não registramos nenhuma reclamação de trabalho, mas avaliaremos o que surgir", disse o tenente Emerson Massera Ribeiro, da Divisão de Operações do Comando do Policiamento na Capital. Foram 1.200 policiais escalados para trabalhar apenas nesta operação, sendo que todos estariam de folga. A confusão na Barra Funda (que fica próxima do Parque Antarctica) aconteceu à noite, logo após o jogo do Santos, que demorou a terminar por causa de um apagão. Houve um início de briga com torcedores do Corinthians, que vinham do Estádio do Pacaembu. "Os torcedores se provocaram, mas os policiais agiram rapidamente e evitaram uma confusão maior", conta Ribeiro.A organização acredita que possa repetir o procedimento, se necessário. "Acreditamos que o trabalho é um modelo que pode ser repetido, mas o que queremos realmente é que não aconteçam três jogos de torcidas grandes em períodos tão próximos", reforçou Ribeiro, lembrando que a PM vai pedir às entidades que organizam os campeonatos de futebol (Federação Paulista e CBF) a não repetir mais este tipo de escala no calendário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.