PM interroga mais 6 integrantes da Mancha

Outros seis torcedores da Mancha Alviverde foram identificados echamados a depor nesta sexta-feira no 13º Distrito Policial (Casa Verde) sobre o caso do assassinato do corintiano Marcos GabrielCardoso Soares, de 16 anos. No total, dez palmeirenses que aparecem nas imagens gravadas pela televisão já prestaram depoimento. Todos foram liberados depois de ouvidos. Até agora, ninguém assumiu participação no espancamento do torcedor do Corinthians. O delegado Ítalo Miranda Júnior prefere não revelar os detalhes sobre o conteúdo das conversas. O maior desafio da polícia éreunir provas suficientes para indiciar os culpados. ?Estamos juntando informações, mas precisamos ir atrás de provas.? A falta de testemunhas também não contribui para que o caso seja esclarecido com maior agilidade ? somente duas pessoas que também foram agredidas compareceram à delegacia. Porém, o delegado promete que a polícia continuará atrás dos agressores durante o fim de semana e pretende fechar o cerco nos próximos dias. ?Estamos com diversas equipes espalhadas pelas ruas, atrás de outros suspeitos. Eu quero ver se até quarta-feira conseguimos já ter ouvido pelo menos 50 torcedores.? Segundo estimativa do delegado, cerca de sessenta torcedores teriam participação direta na morte de Marcos Gabriel. O principal procurado pela polícia é um motoqueiro que aparece vestindo camiseta azul, no meio da torcida do Corinthians. Porém, a identificação ficou prejudicada por ele estar usando capacete. A polícia acredita que esse motoqueiro tenha iniciado toda a confusão ainda na estação Barra Funda ao dar tiros para o alto. A atitude dele teria irritado os palmeirenses que saíram asua procura e deram de frente com o grupo de torcedores da Gaviões da Fiel. Para o delegado Ítalo Miranda Júnior, a possibilidade de vingança por parte de membros da organizada corintiana está descartada. ?Não acredito que isso possa acontecer. Mas a rivalidade não vai acabar nunca.? Nos próximos dias, a polícia deverá ouvir os amigos que acompanhavam Marcos Gabriel Cardoso Soares. As famílias dos dois garotos evitam dar entrevistas. O inquérito sobre a morte do torcedor corintiano foi transferido do 23º DP (Perdizes) para o 13º DP (Casa Verde) para não prejudicar o processo de investigação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.