PM não prevê segurança especial para o São Paulo

O vestiário dos visitantes do Palestra Itália não terá vigilância especial por parte da Polícia Militar durante o clássico entre Palmeiras e São Paulo, no domingo, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. A segurança do local tem sido contestada desde 20 de abril, quando, durante a semifinal do Campeonato Paulista, um gás atingiu jogadores, dirigentes e membros da comissão técnica do São Paulo. "Não teremos policiais na porta dos vestiários, mas nossos homens foram orientados a prestar atenção em qualquer movimentação estranha na área", afirmou o primeiro-tenente Pedro Luís de Souza Lopes, porta-voz do Comando de Policiamento da Capital, que divulgou nesta quinta-feira o esquema de segurança para o jogo. Na tentativa de afastar a imagem de mau anfitrião, o Palmeiras deixará à disposição dos são-paulinos dois camarotes - um para a diretoria, outro para a comissão técnica. Além disso, seguranças foram contratados especialmente para acompanhar a delegação visitante. O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, já afirmou que irá assistir à partida pela TV no vestiário - da mesma maneira que fez no Estadual, quando foi um dos primeiros a perceber o gás que atingiu o local. Outros dirigentes podem fazer o mesmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.