PM não prevê segurança especial para o vestiário do São Paulo

Após problema com gás no Palestra, Polícia diz que só 'prestará atenção em qualquer movimentação estranha'

Amanda Romanelli, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2008 | 19h10

O vestiário dos visitantes do Palestra Itália não terá vigilância especial por parte da Polícia Militar durante o clássico entre Palmeiras e São Paulo, no domingo, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. A segurança do local tem sido contestada desde 20 de abril, quando, durante a semifinal do Campeonato Paulista, um gás irritante - e ainda misterioso - atingiu jogadores, dirigentes e membros da comissão técnica do São Paulo. Veja também:Zaga são-paulina revela que cobrança tem ajudado o timeJogador da base do São Paulo morre em acidente Vote: Quem ganha o clássico deste domingo? Resultados e classificação do Brasileirão Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão "Não teremos policiais na porta dos vestiários, mas nossos homens foram orientados a prestar atenção em qualquer movimentação estranha na área", afirmou o primeiro-tenente Pedro Luís de Souza Lopes, porta-voz do Comando de Policiamento da Capital, que divulgou nesta quinta-feira o esquema de segurança para o jogo. O major Otacílio José de Souza, comandante interino do 2º Batalhão de Choque, não pôde falar sobre os preparativos porque foi deslocado para o enfrentamento entre policiais civis e PMs em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Seis meses após o "caso do gás", pouco se sabe sobre a real motivação do ato. Em um primeiro momento, as diretorias dos clubes trocaram acusações - os jogadores do São Paulo passaram o intervalo da partida no gramado e nem sequer tomaram banho após o fim do duelo, que terminou 2 a 0 para os donos da casa, que se classificaram para a decisão do torneio. O técnico Vanderlei Luxemburgo chegou a dizer que os são-paulinos poderiam ter forjado a ação. O Instituto de Criminalística constatou que o gás só poderia ter sido lançado de fora do recinto. O jornal "Lance!" noticiou que o suspeito do ataque é membro da torcida Mancha Alviverde. Na esfera esportiva, o Palmeiras perdeu um mando de campo no próximo Campeonato Paulista e teve que pagar multa de R$ 10 mil. Na tentativa de afastar a imagem de mau anfitrião, o Palmeiras deixará à disposição dos são-paulinos dois camarotes - um para a diretoria, outro para a comissão técnica. Além disso, seguranças foram contratados especialmente para acompanhar a delegação visitante. O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, já afirmou que irá assistir à partida pela TV no vestiário - da mesma maneira que fez no Estadual, quando foi um dos primeiros a perceber o gás que atingiu o local. Outros dirigentes podem fazer o mesmo. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) divulgará nesta sexta-feira o esquema de trânsito para a área do Palestra Itália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.