Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

PM reforça a segurança em Limeira para clássico pela Copinha

Operação para semifinal entre Corinthians e São Paulo vai mobilizar efetivo nas estradas e na região do estádio para evitar conflitos

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2015 | 08h32

Escolta durante todo o trajeto, 160 policiais militares na operação, 50 homens da Guarda Municipal, torcidas viajando para Limeira por estradas diferentes. Corinthians e São Paulo fazem nesta quinta-feira, no estádio Major Levy Sobrinho, às 21 horas, uma das semifinais da Copa São Paulo de Futebol Júnior. É um jogo entre times de categorias de base. O esquema de segurança, porém, é maior do que o de muitas partidas entre equipes profissionais.

Foram colocados à venda 16 mil ingressos - sete mil de arquibancadas, a R$ 10 para cada torcida (destes, 1 mil serão destinados às organizadas) e 2 mil de cadeiras, a R$ 30, e compra livre por corintianos e são-paulinos. Nos arredores do Limeirão serão montados bolsões de isolamento a partir das 17 horas. Só entrará no perímetro quem estiver com ingresso. Os portões serão abertos às 19 horas.

O plano que a PM e a Federação Paulista de Futebol (FPF) montaram para tentar evitar a violência prevê que torcedores da capital e da Grande São Paulo só se dirijam a Limeira em ônibus, que serão escoltados por PMs e homens do 2.º Batalhão de Choque, se tiverem ingressos.

"Queremos que de preferência só vá a Limeira quem tenha comprado o ingresso. E (os torcedores) serão escoltados o tempo todo. A Polícia Militar vai receber o apoio da Polícia Rodoviária", disse o coronel Marcos Marinho, diretor de segurança da FPF. "E cada torcida vai viajar por uma estrada. Só não sei ainda quem vai, e volta, pela Anhanguera e quem vai utilizar a Bandeirantes".

Pelo que foi planejado, os ingressos na capital só estarão disponíveis com as organizadas. Em Limeira há cinco pontos de venda. Para Marinho, o jogo requer cuidados redobrados também pelo fato de o público ser diferente do de partidas entre as equipes principais. "São muitos jovens, inconsequente nas ações. Por isso estamos tomando todos os cuidados e trabalhando em ações preventivas para que não ocorram incidentes antes, durante e depois do jogo".

No Limeirão, a torcida do São Paulo vai ocupar os setores 1 e 2 do estádio. Os corintianos ficarão nos setores 4, 5 e 6. O setor 3 servirá para dividir as torcidas e vai ser ocupado por policiais.

A marcação da partida para o Limeirão ocorreu após a FPF receber, no início da manhã desta quarta, laudos de prevenção e combate de incêndio e de engenharia do estádio emitidos pelo Corpo de Bombeiros e também de segurança, elaborado pela Polícia Militar. Até então, o estádio estava impedido de receber partidas com cobrança de ingressos.

De acordo com Marinho, as vistorias foram realizadas no mês de dezembro e faltava apenas o envio dos laudos para a federação.

"INVERSÃO" DE MANDO
O clássico também forçou a FPF a promover uma espécie de inversão de mando nestas semifinais. Isso porque o Palmeiras é que vinha jogando no Major Levy Sobrinho, mas teve seu jogo desta quinta contra o Botafogo, de Ribeirão Preto, pelas semifinais (às 18h30) marcado para a Arena Barueri. Nas fases anteriores da Copinha foi o Corinthians que fez suas partidas em Barueri.

São Paulo e Corinthians chegam à semifinais com 100% de aproveitamento na competição. Ambos venceram todos os seis jogos que realizaram até agora. Também têm os dois vice-artilheiros da competição, com sete gols cada. São eles o corintiano Gabriel Vasconcelos e o são-paulino João Paulo. Os artilheiros, com oito gols, são Isaac, do Botafogo-SP, e Victor, do São Caetano, que não joga mais na competição.

JOGO TRÁGICO
O clássico entre Corinthians e São Paulo pela Copa São Paulo já registrou uma morte. Foi há 22 anos, no dia 23 de janeiro de 1992, quando o corintiano Rodrigo de Gasperi, então com 13 anos, foi atingido por uma bomba de fabricação caseira durante briga ocorrida na arquibancada do estádio Nicolau Alayon, do Nacional, na capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.