Alex Silva|Estadão
Alex Silva|Estadão

PM vai fechar ruas do estádio do Morumbi em dias de jogos

Controle de acesso dos torcedores será adotado desde o início do Campeonato Paulista

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2016 | 07h00

A exemplo do Allianz Parque, o Morumbi também terá controle de acesso em seu entorno no ano que vem. De acordo com a Polícia Militar, apenas torcedores com ingresso poderão circular perto da arena já a partir do primeiro jogo do São Paulo em casa, dia 12 de fevereiro, diante da Ponte Preta, pelo Paulistão.

No Morumbi, o acesso será controlado por meio de barreiras nas avenidas padre Lebret e Jules Rimet. Na Giovanni Gronchi e na praça Roberto Gomes Pedrosa, os policiais vão intensificar as ações contra os vendedores ambulantes em parceria com a subprefeitura da região.

A medida segue o padrão adotado na Copa do Mundo 2014 e nos Jogos Olímpicos 2016. “O controle de acesso no Morumbi já está definido e será adotado a partir do primeiro jogo do Campeonato Paulista”, afirma o major Ricardo Xavier, coordenador operacional do 2.º Batalhão de Choque da PM, responsável pelo policiamento das partidas.

Depois do estádio do São Paulo, o próximo a ter controle de acesso nos dias de jogos será o Pacaembu. Neste caso, no entanto, as ruas interditadas ainda não foram definidas em função da complexidade da região. No Itaquerão, o controle não será realizado, apenas a fiscalização sobre os ambulantes.

A ampliação do controle foi planejada em função da experiência no estádio do Palmeiras em 2016. De acordo com a PM e o Ministério Público de São Paulo, a ação cumpriu os objetivos de diminuir o comércio ilegal, facilitar o acesso ao estádio e diminuir a violência antes dos jogos. Os números da PM apontam que as ocorrências caíram de 15 para duas nos dias de jogos e shows no Allianz Parque.

O Palmeiras apoiou a medida. “As pessoas precisam se organizar porque essa é a tendência nos próximos jogos porque deu muito certo em relação a coibir toda a parte ruim”, afirmou o então presidente do clube, Paulo Nobre.

A medida, no entanto, está longe de ser uma unanimidade. Os torcedores do Palmeiras organizaram um abaixo assinado eletrônico que já ultrapassou 10,5 mil assinaturas contra o controle de acesso. Na visão da torcida, o alto preço dos ingressos impede que a maioria dos torcedores entre no estádio. “Por conta do elevado preço dos ingressos no Allianz Parque – ticket médio mais caro do país – a única possibilidade para milhares de torcedores acompanharem seu time de perto é se reunir nas imediações do estádio, enquanto ouvem em rádios ou assistem pelas TVs dos bares, algo que acontece há décadas sem maiores transtornos”, diz o documento.

No jogo contra a Chapecoense, que definiu o título do Palmeiras, houve problemas. Um deles foi a demora na conferência dos ingressos e dos documentos com fotos. Com o jogo já iniciado, a PM iniciou uma operação para dispersar a multidão que continuava nas ruas. Algumas se rebelaram e chegaram a arremessar garrafas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.