Sergio Perez/EFE
Sergio Perez/EFE

Pochettino culpa arbitragem por queda do PSG: 'A falta não marcada mudou o jogo'

Para o técnico, interceptação de Benzema sobre Donnarumma foi faltosa e decidiu o resultado final

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2022 | 20h40

Maurício Pochettino estava bastante abatido após a derrota por 3 a 1 e a consequente eliminação do Paris Saint-Germain da Liga dos Campeões em visita ao Real Madrid. Na visão do argentino, a culpa da queda dos franceses fica na conta do árbitro, que não anotou falta em Donnarumma no gol de empate dos espanhóis.

"A sensação é de muita injustiça. Não posso qualificar como erro do Donnarumma, foi falta clara. E falo isso após ver o lance por 30, 40 vezes em diversos ângulos", reclamou Pochettino na entrevista coletiva. "O primeiro gol do Real Madrid mudou o jogo. Eu me pergunto o que o VAR faz porque há uma falta. É uma pena, quando você vê a ação, é uma falta. Depois disso, a partida mudou. Por 60 minutos dominávamos, aquele gol mudou tudo."

O lance decisivo ocorreu aos 16 minutos do segundo tempo. A bola foi recuada para Donnarumma, que sofreu um tranco de Benzema e acabou dando passe para Vinícius Jr., livre, servir o francês e o Real Madrid buscar o 1 a 1 no Santiago Bernabéu.

A bronca de Pochettino se estende ao VAR, que nem foi acionado no lance, validado pelo árbitro e que desestabilizou os franceses, até então tranquilos em campo com vantagem de 1 a 0 na partida e de 2 a 0 no confronto geral das oitavas da final.

Na visão do técnico argentino, o PSG merecia ter avançado às quartas por ter jogado bem nos dois jogos. "Tivemos o domínio de três quartos da eliminatória, fomos a melhor equipe e saímos com uma tremenda dor por não ter se classificado", disse. "Se a falta tivesse sido marcada, estaríamos elogiando nossos jogadores. O que passou, passou, não deve ser usado de desculpa, mas foi a realidade. Saímos decepcionados."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.