Rodrigo Coca/ Agência Corinthians
Rodrigo Coca/ Agência Corinthians

Polêmica na final do Paulistão ajuda o futebol, diz Marcelinho Carioca

Ex-jogador está acompanhando de perto toda a polêmica envolvendo a final do Campeonato Paulista entre Corinthians e Palmeiras

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2018 | 19h52

Marcelinho Carioca está acompanhando de perto toda a polêmica envolvendo a final do Campeonato Paulista, quando o Corinthians foi campeão em cima do Palmeiras e a arbitragem foi muito pressionada por voltar atrás numa marcação de pênalti que favoreceria o time alviverde. Para o ex-jogador, toda essa repercussão é boa para o futebol.

+ Carille faz mudanças no Corinthians antes da estreia no Campeonato Brasileiro

+ Atletas do Corinthians falam em 'mimimi' palmeirense na polêmica sobre o dérbi

"Eu vou te falar uma coisa, é gostoso isso, essa brincadeira sadia, essa gozação saudável e com respeito sem incitar a violência. O futebol estava muito mecanizado, muito robotizado, todo mundo falando 'eu não posso brincar, não posso falar'. O torcedor vive da emoção. Tem de ter chororô e aí o lenço é gratuito. Já aconteceu isso muitas vezes, lá atrás, quando o Corinthians ficou na fila e o Palmeiras ganhava. É legal. Faz parte do glamour do espetáculo", disse em entrevista ao Estado, durante evento do projeto "Taekwondo Sem Barreiras".

Na sua opinião, a arbitragem acertou no lance polêmico da final. "O lance realmente mostrou que o Ralf tocou primeiro na bola. Se o Dudu tocasse na bola e avançasse, o Ralf poderia encostar nele e seria pênalti, mas hoje tem toda a tecnologia para poder verificar os fatos. Acho que a verdade pode doer, mas ela sempre vai prevalecer. Não foi pênalti. A TV mostrou, o replay mostrou, o árbitro foi lá e pontuou. A mesma coisa seria se acontecesse com o Palmeiras."

Ele sabe que a polêmica em si ocorreu porque a arbitragem demorou muito a confirmar a jogada e que há suspeita de que teria havido interferência externa, o que não é permitido no Campeonato Paulista. Para ele, o presidente palmeirense Maurício Galiotte tem o direito de reclamar. "Eu vou falar como um ex-jogador de futebol: dentro da sua casa, quem canta é o galo. O Palmeiras fez o mais difícil: ir na Arena Corinthians e ganhar o jogo, ele poderia ter definido com dois ou três gols e não fez, isso deu uma esperança."

O ex-jogador lembra que o torcedor corintiano foi no treino da sexta-feira e jogou toda a energia e todo o pensamento positivo para a equipe. "A torcida mostrou: 'olha, estamos com vocês mesmo não estando na arquibancada'. Depois disso, iria prevalecer a qualidade técnica de cada um, a supremacia em cima do adversário, e a vontade e disposição de falar 'o empate é nosso, vamos pra cima e vamos ganhar'. Eles não fizeram isso", continuou.

Marcelinho avalia que o Corinthians foi superior em todos os sentidos e o Palmeiras contou com a infelicidade de perder pênaltis com os seus dois principais jogadores. "Dentro dos 90 minutos eles não aturam como um time que quer jogar, porque eles têm condições técnicas diferenciadas para executar dentro das quatro linhas e não fizeram. Depois, podem tentar tirar o foco e isso não vai desmerecer o título de maneira nenhuma. O Corinthians sofreu todas as críticas quando perdeu, mas ficou calado, foi lá e deu o troco vencendo dentro de campo", disse.

Para ele, é muito difícil superar o Corinthians, clube onde fez história, numa decisão, pois o peso da camisa é enorme. O ex-jogador espera que a polêmica logo acabe e que o Palmeiras aceite o resultado da final do Paulistão. "Eu acho que as pessoas têm de ser mais coerentes e responsáveis pelos seus atos e suas atitudes profissionais, principalmente quem é presidente e tem uma responsabilidade enorme com o seu torcedor", afirmou o atacante, que esteve em campo na última vez que as duas equipes decidiram o Estadual - na época, o Corinthians, de Marcelinho Carioca, também levou a melhor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.