Polícia acusa 2 no caso do palmeirense

A Polícia vai indiciar os corintianos Rodrigo de Azevedo Lopes Fonseca, de 21 anos, e Felipe Augusto de Souza, de 20, acusados da morte do torcedor palmeirense Diogo Lima Borges, de 23. O crime aconteceu no domingo, durante uma briga na Estação Tatuapé do Metrô, Zona Leste de São Paulo, pouco antes do clássico entre Palmeiras e Corinthians. Se forem condenados, estarão sujeitos a pena que varia entre 15 e 30 anos de reclusão.Os dois se apresentaram na noite desta quinta-feira ao delegado titular da 5ª Seccional, Luiz Carlos do Carmo. Mesmo assim, por causa do referendo sobre o comércio de armas no Brasil, que acontecerá no domingo, Felipe e Rodrigo não podem ficar presos - nos cinco dias anteriores e nos dois posteriores às eleições, a lei eleitoral só permite prisão em flagrante.De acordo com o delegado, Rodrigo foi quem fez o disparo que acertou o abdome do palmeirense. A polícia se baseou principalmente nas imagens gravadas pelas câmeras da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).?Ele (Rodrigo) aparece nas imagens sacando uma arma (pistola) em cima da plataforma e mirando para baixo, onde estavam os palmeirenses?, disse Luiz Carlos do Carmo. O delegado explicou que três testemunhas que estavam ao lado da vítima também reconheceram o corintiano.Segundo a polícia, Rodrigo é um dos diretores da subsede A. E. Carvalho da Torcida Gaviões da Fiel - os policiais investigam se essa é uma torcida credenciada junto à sede oficial. Ele já tem passagem pela polícia, por lesão corporal numa festa no começo do ano, e será indiciado por homicídio doloso (com intenção) qualificado. O agravante: motivo fútil.A participação de Felipe foi indireta. Ele foi contratado pelos torcedores para fazer o transporte do arsenal (bombas caseiras, rojões e pedaços de paus e ferro) para o Metrô Tatuapé. E levou o armamento em uma Kombi branca, espalhando-o pelo matagal próximo à estação. Os corintianos pegaram os objetos e correram para o confronto.?Ele (Felipe) prestou depoimento e confessou que fez o transporte desses objetos, mas negou que tenha levado armas (revólveres e pistolas)?, disse o delegado, que revelou que o torcedor será indiciado por tentativa de homicídio. A arma do crime ainda não foi localizada.

Agencia Estado,

20 de outubro de 2005 | 20h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.