Polícia acusa Inter de envolvimento em manipulação de jogos

Derrotas nos últimos jogos da temporada 2007/08 seriam motivadas por apostas, mas ninguém do time é acusado

EFE

30 de janeiro de 2009 | 12h36

Um relatório da Polícia italiana sugeriu que a Inter de Milão esteve envolvida em um esquema de manipulação de resultados relacionado ao mundo das apostas. As autoridades disseram que a atual tricampeã italiana entregou algumas partidas do último campeonato nacional, embora não tenham acusado diretamente o então técnico Roberto Mancini, nem os jogadores, segundo o diário Il Giornale. A investigação se baseou nas decisões técnicas da equipe e suas consequências no mundo das apostas. No último Italiano, a Inter dominou a competição e chegou a ter dez pontos de vantagem sobre a vice-líder Roma. No entanto, o título só foi decidido na última rodada e a equipe da capital terminou a apenas três pontos dos campeões. O relatório questionou a ausência do sueco Zlatan Ibrahimovic, principal atacante da equipe, em partidas da reta final. Além disso, as autoridades estranharam o fato de o zagueiro Marco Materazzi ter insistido para cobrar um pênalti contra o Siena. O campeão mundial em 2006 acabou chutando em cima do goleiro Manninger. Inicialmente, o argentino Julio Cruz seria o incumbido da cobrança. O presidente e proprietário da Inter, Massimo Moratti, qualificou a acusação de "palhaçada" e disse que o caso já foi esclarecido. "Esta acusação já foi recusada pela Promotoria. Por isso, não preciso nem desmenti-la", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.