Polícia afirma que novas prisões podem acontecer; três estão detidos

Do total de 13 pessoas detidas para averiguações, seis torcedores foram liberados

Felipe Cordeiro e Gonçalo Júnior, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2014 | 13h09

SÃO PAULO - No primeiro balanço da operação deflagrada na madrugada desta quinta-feira, a Polícia Civil de São Paulo disse que três torcedores do Corinthians foram mantidos presos, após 13 terem sido inicialmente detidos na investigação que busca os invasores ao CT do clube, ocorrida no dia 1º de fevereiro. Seis torcedores foram liberados por volta das 12h30. Segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a operação "ainda está em andamento" e novas prisões podem acontecer ao longo do dia.

"Fizemos uma investigação com transparência, que nos originou 11 mandados de busca, sendo cinco de prisões. Já procedemos a prisão de dois integrantes e mais um por porte ilegal de arma. Nós sabemos que tem mais. Mas estamos com 90 policiais nas ruas à procura dos outros torcedores identificados", declarou Elisabete Sato, diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Os três corintianos ficarão presos por cinco dias, podendo ter o período de reclusão aumentado. Outros três torcedores com prisão preventiva decretada permanecem foragidos e um deles esteve preso na Bolívia, no ano passado, acusado de ligação na morte do boliviano Kevin Espada. Trata-se de Tiago Aurélio dos Santos Ferreira. "A Justiça tem de ser mais dura. Esperamos contar com o apoio do Corinthians e do Poder Público na identificação e punição de outros torcedores", afirmou a delegada que investiga o caso, Margarete Barreto.

Os policiais estão cumprindo nesta quinta-feira cinco mandados de prisão e seis mandados de busca e apreensão nas sedes das torcidas organizadas do Corinthians. Inicialmente, 13 torcedores foram levados para averiguação no DHPP, na região central de São Paulo - entre os detidos, um é membro da Pavilhão 9, dois são da Gaviões da Fiel e dez fazem parte da Camisa 12.

Segundo o primeiro balanço da operação, que envolve 90 policiais, dois mandados de prisão foram cumpridos até agora, o que faz com que três acusados ainda estejam foragidos. O outro torcedor que foi mantido preso nesta quinta-feira foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma e de drogas. Os nomes de todos os envolvidos ainda não foram divulgados pela polícia.

Na invasão ao CT Joaquim Grava, ocorrida no dia 1º de fevereiro, um grupo de cerca de 100 torcedores foi ao local para protestar contra a má fase do Corinthians, aterrorizando jogadores e funcionários do clube. Foram denunciadas agressões e até roubos. Para ajudar nas investigações, o Corinthians entregou para a polícia imagens feitas pelo circuito interno de tevê. Com base nesses registros, além de fotos da imprensa e do depoimento de testemunhas, já foi possível identificar alguns suspeitos da invasão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.