Polícia alemã revista sedes da Federação e da Liga de futebol

Escritório do governo suspeita que as duas entidades fizeram acordos para evitar concorrência em patrocínios

EFE

26 de fevereiro de 2008 | 14h27

A Polícia revistou nesta terça-feira as dependências da Federação e da Liga de futebol da Alemanha (respectivamente DFB e DFL) dentro de uma investigação do Escritório Federal Antimonopólio que suspeita que as duas entidades acertaram acordos para evitar a concorrência no mercado dos patrocínios. A DFB protestou contra a ação através de um comunicado no qual rejeitou as acusações e criticou os excessos cometidos na operação. "Este incidente é incompreensível para todos nós. Considerando que sempre cooperamos de forma correta e limpa com todas as entidades, o que foi uma das chaves do êxito da Copa de 2006, não temos motivos para ocultar nada", declarou o secretário-geral da DFB, Wolfgang Niersbach. O Escritório Antimonopólios suspeita que a DFB e a DFL tenham criado um grupo de trabalho cuja incumbência era impedir a concorrência entre a DFB e os clubes com licença na disputa por patrocinadores. A DFB e a DFL disseram que não tinham conhecimento prévio desta investigação, que foi realizada por causa de uma matéria publicada há um ano. "Caso o Escritório Antimonopólio tivesse entrado em contato conosco diretamente teria recebido uma resposta honesta e todos os documentos necessários", declarou Niersbach.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.