Daniel Augusto Junior/Agência Corinthians
Daniel Augusto Junior/Agência Corinthians

Polícia boliviana acusa corintianos de burlarem segurança

Coronel diz que torcedores usaram porta lateral para entrar com sinalizadores no estádio

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2014 | 17h03

SÃO PAULO - O coronel Hector Ríos, chefe da Felcc (Força Especial de Luta Contra o Crime) de Oruro, acusa torcedores do Corinthians de burlar a revista na entrada do Estádio Jesús Bermúdez para entrar com sinalizadores. Segundo o militar, um grupo de torcedores usou uma pequena porta lateral, destinada apenas a jogadores e integrantes da comissão técnica.

“Depois de investigar, descobrimos que um grupo de torcedores entrou quando já estavam fechados os portões e passou por uma porta menor, ao lado do local onde entram somente os jogadores, e acabou não passando pela segurança. Por isso, aconteceu o que aconteceu”, disse ao Estado.

Segundo Ríos, após a morte de Kevin a polícia boliviana adotou um novo sistema de revista e segurança em todos os estádios do país, a fim de evitar novos incidentes. “O que ocorreu naquele dia foi uma experiência muito importante para a polícia boliviana. Esse lamentável episódio nos fez tomar medidas de segurança para que isso não ocorra mais em jogos nacionais ou internacionais.”

Passado um ano da morte de Kevin Espada, o presidente do San José, Freddy Fernandez, ataca a diretoria do Corinthians e a relação do clube com a sua torcida. Ele, que esperava por uma grande festa em Oruro com a passagem dos campeões do mundo pela cidade, viu a noite terminar em tragédia e culpa o Alvinegro.

“Os torcedores do Corinthians são muito fanáticos e acompanham o clube em todo lugar, mas a diretoria precisa rever como lidar com essa gente porque ter esse tipo de torcedor não vale a pena. É preciso controlar isso para que não ocorram mais desgraças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.