Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Polícia Civil abre inquérito para investigar presidente do Corinthians

Roberto de Andrade é suspeito de ter assinado ata como dirigente dois dias antes de assumir o cargo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2016 | 20h40

A Polícia Civil abriu nesta segunda-feira inquérito policial para investigar uma possível fraude do presidente do Corinthians, Roberto de Andrade. O dirigente assinou ata de assembleia geral dois dias antes de assumir o cargo, em 2015.

As investigações, que foram abertas no 52º Distrito Policial, devem ocorrer por até 60 dias e ouvirão diversos dirigentes e funcionários do clube e da Arena Corinthians. A investigação foi aberta pelo conselheiro e ex-deputado Romeu Tuma Júnior.

Na sexta-feira, data que foi divulgada a possível irregularidade, o Corinthians divulgou uma nota onde Roberto de Andrade negava ter fraudado o documento. A preocupação no clube é que, caso seja confirmada a fraude, a decisão poderia interferir no resultado da eleição. Membros da oposição desconfiam que Roberto de Andrade assinou a ata por já saber que venceria a eleição, embora ainda fosse disputar o pleito com Antônio Roque Citadini.

Dos 12 mil associados aptos a votar, compareceram às urnas 3.254. No total, Roberto teve 1.848 votos contra 1.393 de Citadini, além de 13 votos em branco.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.