Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Polícia Civil vai à Granja Comary apurar divulgação de vídeo de Neymar

Atacante da seleção brasileira está sendo acusado de cometer crime de estupro em Paris; jogador publica conversas e fotos para se defender

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2019 | 14h56

A Polícia Civil de Teresópolis foi à Granja Comary na manhã deste domingo em uma primeira diligência envolvendo a acusação de estupro contra o atacante Neymar. A ida dos investigadores, contudo, não teve relação direta com o Boletim de Ocorrência registrado contra o jogador na sexta-feira, mas sim pelo vídeo postado por ele no fim da noite de sábado.

Os policiais foram recebidos pelo administrador do CT da seleção, e ficaram poucos minutos. Os agentes chegaram por volta de 10h30 da manhã, quando Neymar e o restante do elenco não estavam na Granja - o grupo recebera folga ao meio-dia de sábado. O atacante desembarcou em seu helicóptero cerca de meia hora depois da saída da polícia.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). A especializada "irá apurar suposta divulgação de vídeo por parte do jogador Neymar. A 110ªDP (Teresópolis) já realizou diligências que vão auxiliar nessa investigação".  Divulgar imagens íntimas na internet sem consentimento das partes envolvidas é crime, e a pena prevista pode render até cinco anos de prisão.

No vídeo, Neymar começa explicando o caso e lamentando a acusação, a qual nega. “Fui pego de surpresa. Foi muito ruim, muito triste escutar isso, porque quem me conhece sabe do meu caráter, da minha índole, sabe que eu jamais faria uma coisa desse tipo", disse, visivelmente abalado.

Depois, o vídeo prossegue com imagens da conversa do jogador com a suposta vítima. As trocas de mensagem divulgadas por Neymar mostram um flerte entre o jogador e a mulher, com fotos íntimas e declarações dos dois lados.

Procurada, a assessoria do atacante ainda não se manifestou sobre a nova investigação da Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.