Sérgio Castro/Estadão - 24/11/2012
Sérgio Castro/Estadão - 24/11/2012

Polícia começa a ouvir testemunhas do assassinato de fundador da Mancha

Trabalho deve se estender durante a semana, com pelo menos dez pessoas a serem ouvidas

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2017 | 16h55

A Polícia Civil vai começar nesta semana a ouvir depoimentos para ajudar a esclarecer o assassinato da última quinta-feira de Moacir, fundador da Mancha Alviverde, a principal torcida organizada do Palmeiras. Os investigadores querem conversar com testemunhas do crime e membros da uniformizada. Pelo menos dez pessoas devem ser chamadas para falar, segundo apurou o Estado.

Nos próximos dias a investigação também vai terminar o recolhimento de imagens de câmeras de segurança das ruas próximas ao local do assassinato, no bairro do Ipiranga, Zona Sul. Bianchi levou 16 disparos em uma emboscada na madrugada. O veículo dele foi fechado por um táxi e seguido por outro carro, de onde um suspeito desceu e efetuou os disparos no palmeirense.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, os trabalhos da polícia correm sob segredo de Justiça. Os responsáveis pela apuração temem que a divulgação de informações possa atrapalhar o esclarecimento. Segundo pessoas próximas aos trabalhos de investigação, o processo é cuidadoso para evitar que os depoentes corram riscos de represálias.

Além de testemunhas do crime, a polícia quer ouvir membros da diretoria da torcida organizada. Os investigadores tem como provas áudios enviados entre grupos de WhatsApp em que se comenta da participação de Bianchi como mediador de uma briga interna na Mancha entre a cúpula da uniformizada e a filial da Zona Sul. Horas antes do crime, as duas dissidências se envolveram em uma briga nos arredores do Allianz Parque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.