Alisson Frazão| Brazil Photo Press
Alisson Frazão| Brazil Photo Press

Polícia de Alagoas prende quatro acusados de participarem de briga entre torcidas

Policiamento será reforçado para partida do CRB na Copa do Brasil

Carlos Nealdo, Especial para a AE

10 de maio de 2016 | 17h40

A Polícia Civil de Alagoas prendeu quatro acusados de participarem da briga entre torcidas no domingo, durante a partida entre CSA e CRB, ocorrida no estádio Rei Pelé, em Maceió, pela final do campeonato alagoano. O gandula Wilson Ferreira dos Santos, 31 anos, - que atuou no jogo - foi um dos detidos. Além dele, foram presos Joseph Herbert do Nascimento Pereira, 29, Artur Henrique dos Santos Almeida, 20, e Flávio Gouveia dos Santos, 29 anos.

Segundo o secretário de Segurança Pública de Alagoas, Paulo Domingos de Araújo Lima Júnior, os quatro foram reconhecidos pelas imagens de tevê e pelo circuito interno do estádio. Lima Junior informou ainda que ainda no domingo, durante o jogo, foram presos Artur José Félix de Amorim, 26 anos, e David Williams Alves de Oliveira, 20, que teriam várias passagens pela polícia. Todos os acusados foram encaminhados para a Casa de Custódia de Maceió.

Na noite de segunda-feira, o secretário de segurança disse que a polícia não é culpada pelo que aconteceu no estádio Rei Pelé no domingo. Ele defendeu o fim das torcidas organizadas em Alagoas, justificando que as agressões entre torcedores mancha o Campeonato Alagoano, o título do CRB (que conquistou o bicampeonato estadual) e o Estado de Alagoas perante o Brasil e o mundo.

Durante entrevista coletiva realizada na manhã desta terça-feira, foram divulgados vídeos em que torcedores do CSA e do CRB aparecem arrombando os portões de acesso ao estádio, antes do início da partida. O comandante de Policiamento da Capital, Thúlio Roberto Emery dos Santos - responsável pelo contingente de 300 policiais militares divididos em equipes fora e dentro do estádio -, revelou que a invasão de torcedores teria provocado superlotação no estádio, ampliando de 13 mil para 20 mil o número de presentes no Rei Pelé.

Segundo ele, a segurança dos portões seria de responsabilidade da Federação Alagoana de Futebol (FAF). "Não tenho como apontar culpados, mas o que posso dizer é que tomei a medida cabível, visando a segurança (no estádio), determinando o fechamento imediato das catracas", revelou. A superlotação do estádio já havia sido denunciada na manhã desta terça-feira, pelo secretário de Segurança Pública, durante entrevista a uma emissora de tevê local.

Na manhã desta terça-feira, a FAF divulgou a súmula do árbitro Dewson Freitas da Silva, que apitou a final de domingo. No documento, o juiz informa que ao término da partida, torcedores de ambas as equipes invadiram o campo e começaram a brigar, o que fez com que a equipe de arbitragem se retirasse rapidamente para evitar agressões. "Acabamos saindo correndo para os nossos vestiários, escoltados por quatro policiais", informou.

COPA DO BRASIL

Para evitar que novas agressões se repitam nesta quarta-feira, durante o jogo entre CRB e Vasco pela Copa do Brasil, o Comando de Policiamento da Capital (CPC) montou um plano com 203 policiais militares - quase cem a menos do contingente usado no domingo. As equipes serão divididas dentro e fora do estádio, assim como aconteceu no jogo entre CSA e CRB. A expectativa para esta quarta é de um público de 13 mil pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
CSACRBVasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.