Polícia de Campinas monta esquema histórico para final

Serão mais de 700 policiais militares convocados para assegurar a partida entre Ponte Preta e Palmeiras

Agência Estado

25 de abril de 2008 | 17h03

A Polícia Militar de Campinas armou um esquema de segurança histórico para o primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, entre Ponte Preta e Palmeiras, que será disputado no domingo. São mais de 700 policiais, além de 81 pessoas de outros órgãos oficiais. O "Esquema da Final" foi divulgado, nesta sexta-feira, pelo comando do 35.º Batalhão da Polícia Militar.Veja também: Vote: qual time vai ser o campeão de 2008?  Serviço: para quem vai à final Ponte Preta x Palmeiras 'Torcedor comum' do Palmeiras fica de fora da primeira final Sérgio Guedes: 'Ser treinador é muito desgastante' Palmeiras empata com o Sport Recife por 0 a 0 no Palestra Estão destacados 640 policiais da cidade, incluindo cavalaria, canil e tropa de choque, além de mais 64 integrantes da cavalaria de São Paulo, encarregada de fazer a escolta da torcida palmeirense no trajeto da capital até o Estádio Moisés Lucarelli. Estes policiais farão a segurança tanto dentro quanto fora do estádio, além de acompanhar as principais vias e terminais que levem ao local da partida. Além disso, a cidade terá mantido o policiamento normal, com 120 policiais.Para se ter uma idéia da grandiosidade do esquema de segurança, para um jogo comum são destacados entre 120 a 140 policiais. Quando a Ponte enfrenta clubes de grande porte, o número chega em torno de 400 policiais, como diante do São Paulo, do Corinthians e do rival Guarani.Todo o trabalho será monitorado por um veículo com câmeras, que atuará dentro e fora do estádio, e por duas equipes móveis de filmagens, que irão focalizar os torcedores e eventuais ocorrências. O esquema será iniciado a partir das 12h30 de domingo, meia hora antes da abertura dos portões do Moisés Lucarelli, e três horas antes do início da decisão.Os torcedores terão acesso ao estádio por cinco portões, um deles, nos fundos, exclusivo para os membros da torcida visitante.Para os ponte-pretanos estarão à disposição as 12 catracas dos portões principais, além de uma entrada destinada ao "Torcedor Família", outra aos associados do clube e "Torcedor Camisa 10", que é um projeto para as crianças e outra entrada para o setor de cadeiras vitalícias, com utilização de chip eletrônico.A Emdec, empresa municipal que cuida do trânsito, também ampliou sua equipe, destacando 37 agentes, o dobro do contingente utilizado em clássicos. Estes funcionários estarão em carros, motos e no serviço de sinalização. As ruas próximas ao estádio serão interditadas em um raio de 300 metros. Somente os torcedores com ingressos nas mãos vão avançar nesta marca.Haverá ainda reforço da Guarda Municipal, com três viaturas, e do Corpo de Bombeiros. Para completar, será instalado, pela primeira vez em Campinas, no estádio um Juizado Especial Criminal, que vai analisar os casos verificados no evento, como furtos, posse de drogas e casos de brigas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.