Polícia de Minas admite erros em confusão em Nova Lima

A Polícia Militar de Minas Gerais assumiu, nesta segunda-feira, ter errado na atuação durante os episódios de violência no jogo de domingo entre Villa Nova e Cruzeiro, em Nova Lima. De acordo com o chefe do setor de comunicação da PM, Tenente-Coronel Sales, os fatos serão apurados e os culpados punidos de acordo com a lei. Sales afirmou que a PM se organizou para o jogo, mas que a situação exigiu a atuação mais truculenta dos policiais. ?Houve planejamento, mas a princípio podemos dizer que existiram alguns erros?, comentou.A confusão teria começado do lado de fora do Estádio Municipal Castor Cifuentes, em Nova Lima, local da partida. De acordo com a Federação Mineira de Futebol, a polícia teria chegado cerca de 45 minutos atrasada ao estádio, retardando também a abertura dos portões e causando tumulto. Nas arquibancadas, a violência tomou conta e houve muito conflito entre policiais e torcedores.Uma mulher chegou a desmaiar e várias pessoas saíram feridas. No primeiro tempo, a partida foi paralisada por oito minutos em decorrência de uma bomba de efeito moral atirada pela PM, que teve seus efeitos sentidos pelos jogadores dentro de campo.Clima quente para o clássicoO episódio em Nova Lima preocupa a polícia e pode esquentar ainda mais os ânimos para o jogo do próximo sábado entre Atlético e Cruzeiro, no Mineirão. ?Os torcedores também têm que colaborar. Nós encaramos o clássico como uma grande festa e vamos atuar para que tudo corra bem?, enfatizou o Tenente-Coronel Sales. A PM se reunirá durante a semana com representantes das duas torcidas para discutir medidas de combate à violência nos estádios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.