Divulgação/Polícia nacional da Colômbia
Divulgação/Polícia nacional da Colômbia

Polícia detém camisas da seleção colombiana contaminadas com cocaína

Remessa iria para a cidade de Groninga, na Holanda

Estadao Conteudo

22 Junho 2018 | 11h42

A Direção Antinarcóticos da Colômbia comunicou que apreendeu nesta quinta-feira 14 camisas da seleção colombiana impregnadas com cloridrato de cocaína, no Aeroporto de Bogotá. A remessa, que estava misturada a roupas comuns, ia ser enviada para a cidade de Groninga, na Holanda.

+ Justiça investiga ameaças de morte a colombiano expulso em estreia da Copa

+ Sob pressão após derrota, Polônia teme eliminação diante da Colômbia

+ Falcao García diz que duelo com a Polônia será uma 'final' para a Colômbia

"Observamos com tristeza que camisas que despertam tanta alegria em um país, que vive e sente a Copa do Mundo, sejam contaminadas com a substância", diz boletim divulgado pelo órgão que combate o tráfico de drogas na Colômbia. As autoridades ainda investigam quem são os responsáveis pela tentativa de contrabando.

Policiais responsáveis por coibir o tráfico de entorpecentes no Aeroporto Internacional de El Dorado, em Bogotá, desconfiaram da bagagem, que vinha da cidade de Barranquilla e era endereçada à Holanda.

Os receptores da encomenda iriam submeter às camisas a um processo químico para extrair a droga do tecido. Em formato de sal, o cloridrato de cocaína é a forma pura do narcótico e tem a propriedade e ser solúvel em água. Havia cerca de 5 Kg da substância em cada peça.

Alheia ao crime, a seleção colombiana volta a campo às 15 horas (de Brasília) deste domingo, contra a Polônia, em Kazan. Na estreia, a equipe comandada pelo técnico José Pékerman perdeu para o Japão por 2 a 1, na última terça-feira, em Saransk.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.