Polícia do Paraná prende nove torcedores envolvidos na briga de Joinville

A operação 'Cartão Vermelho' está sendo realizada a pedido da polícia de Santa Catarina e em conjunto com policiais do Rio

Julio Cesar Lima, O Estado de S. Paulo

19 de dezembro de 2013 | 11h21

CURITIBA - A Polícia Civil paranaense prendeu na manhã desta quinta-feira, em Curitiba, nove torcedores do Atlético-PR envolvidos na briga com rivais vascaínos durante a partida entre as duas equipes na Arena Joinville, em Joinville, no último dia 8 de dezembro. A operação, batizada de Cartão Vermelho, está sendo realizada a pedido da polícia de Santa Catarina e em conjunto com policiais do Rio de Janeiro que estão prendendo torcedores do Vasco.

No total, foram expedidos 16 mandados de prisão preventiva em Curitiba e um mandado de busca e apreensão na sede da torcida organizada "Os Fanáticos", ligada ao Atlético-PR. Entre os mandados de prisão expedidos está o do ex-vereador e ex-superintendente da autarquia EcoParaná, Juliano Borghetti (PP), que em nota afirmou que se apresentaria à Polícia acompanhado do seu advogado. Os presos deverão ser levados para a cadeia de Joinville, local onde foi instaurado o inquérito. Eles são acusados de formação de quadrilha e tentativa de homicídio.

Segundo o delegado Clóvis Galvão, da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe), que entregou uma lista com 28 nomes de envolvidos na briga para a polícia catarinense, ainda há a possibilidade de novas prisões serem realizadas, mas algumas pessoas já constituíram advogados e devem se apresentar. "Podemos ter mais prisões, porém, alguns advogados entraram em contato e disseram que as pessoas não precisarão ser presas e devem se apresentar à Polícia", disse.

Para Galvão, o trabalho policial no estado está sendo realizado em conjunto com as policias catarinense e carioca e caberá à Justiça em Joinville determinar o futuro desses presos. "Eles serão encaminhados para lá e irão aguardar a decisão da justiça de Santa Catarina, pois o inquérito está sob a responsabilidade da polícia em Joinville."

EM CASA

Com relação ao ex-vereador, que não havia sido localizado em sua residência, havia a hipótese de que ele fugira para a Itália, onde mora sua ex-mulher, Renata Bueno, deputada pelo Parlamento italiano. Mas em nota divulgada pelo seu partido, o PP, ele explicou a situação e disse que vai se apresentar à Polícia, acompanhado do advogado Claudio Dalledone.

"Ao contrário do divulgado na imprensa estou na minha residência em Curitiba e vou me apresentar à Polícia Civil do Paraná para prestar esclarecimentos sobre os acontecimentos do dia 8 de dezembro na Arena Joinville. Refuto a informação de que estaria foragido e de que teria viajado para a Itália. Sempre estive à disposição das autoridades para esclarecer a minha participação no ocorrido."

No fim de semana em que ocorreram os incidentes, William Batista, Diogo Cordeiro da Costa Ferreira, Estevão Viana e Gabriel Ferreira Vitael precisaram ser internados por causa dos graves ferimentos provocados durante a briga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.