JF Diorio|Estadão
JF Diorio|Estadão

Polícia e torcida do Palmeiras entram em conflito do lado de fora do estádio

PM usa bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água para dispersar a multidão

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2016 | 18h20

Os arredores do estádio Allianz Parque, em São Paulo, tiveram neste domingo um confronto entre torcedores do Palmeiras e policiais militares durante a partida entre a equipe paulista e a Chapecoense, pelo Campeonato Brasileiro. Com o jogo já iniciado, a PM iniciou uma operação para dispersar a multidão que continuava nas ruas. Algumas pessoas se rebelaram contra a atitude e chegaram a estourar rojões e arremessar garrafas.

A confusão teve início ainda antes do jogo chegar aos 10 primeiros minutos. Quem estava dentro da arena escutou o barulho das bombas arremessadas pela polícia do lado de fora do Allianz Parque. Nas ruas Palestra Itália, Diana e Caraíbas, os policiais tentavam tirar do local quem ficou na região e estava sem ingresso. A ação incluiu também os bares da região, onde alguns torcedores estavam reunidos e tiveram de deixar o local.

Por determinação da PM, os arredores do estádio só podem ter a presença de torcedores com ingresso, restrição aplicada desde as 10 horas por questões de segurança. Segundo testemunhas, após o jogo começar e os policiais notarem que alguns palmeirenses sem ingressos conseguiram acessar as ruas bloqueadas, teve início a tentativa de dispersão do grupo.

As bombas de gás lacrimogêneo e os jatos de água da polícia fizeram alguns torcedores sair correndo. Outros chegaram a tentar resistir e atiraram garrafas contra os escudos e os carros da PM, que chegou a chamar uma viatura extra para reforçar a operação. Com a confusão, os policiais restringiram a saída de jornalistas do estádio em direção à rua para acompanhar o incidente ao alegar que o ambiente estava perigoso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.