Polícia identifica mais quatro integrantes da Mancha em briga na CPTM; veja vídeo

Polícia identifica mais quatro integrantes da Mancha em briga na CPTM; veja vídeo

Palmeirenses entraram em confronto com são-paulinos ligados à Torcida Independente na estação Água Branca

O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2018 | 23h50

A Polícia Civil identificou ontem mais quatro integrantes da torcida Mancha Alviverde, do Palmeiras, envolvidos em uma violenta briga com torcedores do São Paulo, ligados à Independente. A confusão ocorreu no último sábado, na estação Água Branca, na Linha 4 da Companhia de Trens Metropolitanos (CPTM), zona oeste da cidade.

+ Confira a tabela do Campeonato Paulista

Até agora, são oito palmeirenses que já foram reconhecidos pelas autoridades e que terão pedida a prisão preventiva - outros quatro haviam sido identificados na quarta-feira

Novas imagens da briga entre palmeirenses e são-paulinos foram divulgadas na noite desta quinta-feira pelo Jornal da Record. O encontro entre os torcedores foi casual. Os torcedores do São Paulo voltavam do Morumbi, onde assistiram o jogo do clube contra o Botafogo-SP, pelo Paulistão. Já os palmeirenses voltavam de uma festa na quadra da torcida, que também abriga a escola de samba de mesmo nome, na Barra Funda. 

Nos vídeos, pode-se ver a aproximação de um vagão na plataforma de desembarque e, assim que as portas se abrem, várias pessoas saem correndo – entre elas uma mulher com uma criança no colo. 

Em outra imagem, é possível ver os torcedores do Palmeiras, em menor número, acuando os são-paulinos dentro de um vagão. Pedras, extintores e até uma escada são usados como armas. De acordo com investigadores que atuam na repressão aos crimes cometidos por torcedores organizados, são oito palmeirenses identificados. Os quatro primeiros tiveram os nomes divulgados.

Tratam-se de Diones Silva, Lucas Maia Coelho, Leandro Maia Coelho e Sandro Santos de Souza – s últimos dois, inclusive, foram presos em 2014 e condenados a sete anos de prisão por roubo e espancamento de corintianos em uma briga também dentro de trens da CPTM. Eles estavam em liberdade condicional. 

Em entrevista à Record, o promotor público Paulo Castilho prometeu ação enérgica na luta contra a violência praticada por integrantes de torcidas organizadas. “Nós vamos ser implacáveis na identificação, punição e afastamento desses torcedores das praças esportivas do estado de São Paulo”, afirmou Castilho. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.