Reprodução
Reprodução

Polícia indicia 12 torcedores do Corinthians por homicídio

Dois detidos foram acusados de homicídio e os dez restantes, por serem cúmplices. Eles serão levados a um juiz, que decidirá se eles responderão ao processo em liberdade ou ficarão na Bolívia

AE, Agência Estado

21 de fevereiro de 2013 | 21h25

ORURO - A polícia boliviana anunciou nesta quinta-feira que os 12 torcedores corintianos que estão detidos desde a noite anterior, na Bolívia, foram indiciados por homicídio. Eles são acusados de envolvimento na morte de Kevin Douglas Beltrán, que tinha 14 anos e foi atingido por um sinalizador durante o jogo entre Corinthians e San José, no Estádio Jesús Bermúdez, em Oruro, pela Libertadores.

Os 12 torcedores do Corinthians foram presos ainda dentro do estádio, durante o jogo que terminou 1 a 1. Todos tiveram de passar por um teste para detectar a presença de pólvora nas mãos. A embaixada brasileira em La Paz, capital da Bolívia, enviou nesta quinta-feira um agente consular e um advogado para Oruro, cidade distante 226 quilômetros, para prestar auxílio aos corintianos detidos.

Depois das investigações iniciais, a polícia boliviana resolveu indiciar os 12 torcedores, sendo que dois deles são acusados pela autoria do crime e os outros 10 teriam sido cúmplices - não foram identificados quais seriam os responsáveis por cada crime. Agora, eles serão levados a um juiz para que seja decidido se respondem o processo em liberdade ou se continuam presos na Bolívia.

"Estamos indiciando formalmente os 12 brasileiros pelo suposto crime de homicídio", anunciou a fiscal de investigação do Ministério Público da Bolívia, Abigail Saba, depois de ouvir o testemunho dos torcedores corintianos nesta quinta-feira na delegacia em Oruro. Ainda segundo a polícia boliviana, os dois acusados como autores do crime carregavam sinalizadores quando foram presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.