Polícia indicia ex-diretores do Grêmio

O ex-presidente do Grêmio José Alberto Guerreiro e o ex-diretor de finanças do clube, Martinho Faria, foram indiciados pelo delegado André Mocciaro por estelionato e formação de quadrilha, num inquérito remetido ao Ministério Público nesta sexta-feira. Também foram acusados o ex-presidente da ISL do Brasil, Wesley Cardia, e o ex-diretor financeiro da empresa, Nilton Maia, cinco doleiros de Blumenau e um de Brasília. O delegado investigava havia um mês o destino de três cheques, no valor total de R$ 555.799,00, emitidos a favor do Grêmio em agosto de 2000 pela ISL. Oficialmente, o dinheiro seria destinado ao pagamento de multas ao River Plate, Glasgow Rangers e Palmeiras pelas contratações de Astrada, Amato e Paulo Nunes. O síndico da massa falida da ISL na Suíça, Thomas Bauer, descobriu que nenhum dos três clubes havia cobrado qualquer multa. Passou a exigir a devolução do dinheiro pelo Grêmio, que também informou desconhecer o assunto. A investigação descobriu que os cheques não chegaram aos cofres do Olímpico. Foram endossados e depositados em contas de doleiros. Mocciaro não revelou como cada um dos indiciados participava do esquema. Guerreiro avisou que não falará no assunto enquanto não tiver conhecimento das acusações do delegado. Disse apenas que nem havia pensado em contratar advogado por ter certeza de que não seria indiciado. Após a análise, o Ministério Público poderá arquivar o caso ou oferecer denúncia ao Judiciário para abertura de processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.