Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Polícia inglesa investiga mensagens racistas enviadas a atacante do Bristol City

Famara Diedhiou foi alvo de ofensas após perder pênalti que acabou com as chances da sua equipe de subir à primeira divisão do Inglês

Redação, Estadão Conteúdo

19 de julho de 2020 | 10h08

A polícia de Bristol, na Inglaterra, iniciou uma investigação para apurar o envio de mensagens racistas dirigidas ao atacante do Bristol City, Famara Diedhiou, que foi alvo de racismo em suas redes sociais depois de perder um pênalti em duelo da segunda divisão do Campeonato Inglês.

O atacante senegalês acertou a trave em cobrança de pênalti no jogo diante do Swansea, neste sábado, que terminou 1 a 0 para o adversário e, com isso, acabou com as chances do Bristol City de subir à primeira divisão do Campeonato Inglês.

Depois da partida, Diedhiou denunciou o insulto racista em seu perfil no Twitter. "Por quê??", questionou o jogador, mostrando uma captura de tela de um usuário que lhe enviou uma mensagem racista com três bananas.

A força policial responsável pelas áreas de Bristol, Bath, Somerset e South Gloucestershire, no sudoeste da Inglaterra, disse que pediu ao Twitter para remover a publicação e solicitou mais informações sobre o agressor.

"As primeiras indicações sugerem que a mensagem pode ter sido originada de um titular de uma conta fora deste país", afirmou a polícia de Avon e Somerset em um comunicado.

A polícia conversará com Diedhiou, que é o mais recente jogador de futebol negro na Inglaterra a ser vítima de racismo nas redes sociais, após incidentes neste mês envolvendo marfinense Wilfried Zaha, do Crystal Palace, e o irlandês David McGoldrick, do Sheffield United.

"Mensagens racistas de qualquer tipo são repugnantes", disse a polícia, "e queremos tranquilizar o jogador e o clube de que uma investigação completa e abrangente será realizada agora".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.