Divulgação
Divulgação

Polícia pede desculpa às vítimas da Tragédia de Hillsborough

Em 1989, corporação culpou os torcedores pelo acidente

Estadão Conteúdo

26 de abril de 2016 | 12h15

Pouco depois de um júri inglês concluir nesta terça-feira que erros cometidos pelo comando policial provocaram as mortes de 96 torcedores do Liverpool no episódio que ficou mundialmente conhecido como "Tragédia de Hillsborough", a polícia britânica pediu desculpas aos familiares das vítimas daquele desastre, o maior da história do esporte no Reino Unido.

Naquela ocasião, além das 96 mortes, outras 766 pessoas ficaram feridas no estádio Hillsborough, em Sheffield, onde Liverpool e Nottingham Forest disputavam a semifinal da Copa da Inglaterra, no dia 15 de abril de 1989.

384665"Quero pedir desculpas, sem reservas, para as famílias e a todos os afetados (pela tragédia)", afirmou o comandante da polícia do condado de South Yorkshire, David Crompton, ao lamentar o incidente no qual torcedores foram pisoteados, esmagados e asfixiados contra os alambrados no estádio Hillsborough, depois de o policiamento ter optado por abrir um dos portões do local para entrada de torcedores quando as arquibancadas já estavam lotadas.

Na época da tragédia, a polícia e parte da imprensa inglesa chegaram a culpar os torcedores, apontando que muitos estavam bêbados e tentaram entrar no estádio sem ingressos, mas uma nova investigação concluiu que eles foram "ilegalmente mortos" e não vítimas de um acidente. O novo veredicto sobre o caso apontou que a polícia local foi negligente ao cometer erros no planejamento da segurança dos torcedores.

O trágico episódio de 1989, por sua vez, foi um marco histórico para mudança no policiamento e na organização de eventos esportivos na Inglaterra, conforme o próprio David Crompton ressaltou nesta terça.

"A Tragédia de Hillsborough mudou a forma como a maioria dos eventos esportivos são policiados e muitas lições foram aprendidas como resultado", afirmou, para depois completar: "Hoje, com as melhorias no treinamento, comunicação e tecnologia, é quase impossível imaginar como o mesmo conjunto de circunstâncias poderiam surgir novamente".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, também fez nesta terça-feira uma homenagem à coragem exibida pelos familiares das vítimas, que seguem lutando para que os responsáveis pela tragédia sejam punidos. Por meio de sua página no Twitter, ele enfatizou que "uma justiça muito atrasada" foi feita pelo júri do tribunal em Warrington, cidade próxima a Liverpool, nesta terça-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.