Edison Temoteo/Futura Press
Edison Temoteo/Futura Press

Polícia investiga ligação de torcida com assassinato de fundador da Mancha

Fundador da principal uniformizada do Palmeiras foi morto em emboscada no bairro do Ipiranga

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2017 | 19h22

A Polícia Civil tem a briga de torcidas organizadas como a principal linha de investigação para esclarecer o assassinato do fundador da Mancha Alviverde, do Palmeiras, Moacir Bianchi, na última quarta-feira. A morte dele, em emboscada com 16 tiros no bairro do Ipiranga, motivou a torcida a publicar na tarde desta quinta, no Facebook, um comunicado de encerramento das atividades por tempo indeterminado.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Nilton Montoro, do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), as características do crime sugerem a ligação com brigas de organizadas. "Deve estar mais ligado com torcida, mesmo, até pelas condições do crime. Mas ainda não temos certeza", disse. "Estamos checando informações. Me parece que anteriormente houve conflitos dentro da própria torcida antes do crime", afirmou.

A vítima foi assassinada na madrugada na Avenida Presidente Wilson, no Ipiranga, na Zona Sul da capital. Dois carros participaram do crime. O primeiro, um táxi, fechou o veículo de Bianchi. O segundo, tinha duas pessoas. Uma delas desceu e fez os disparos. A ação foi por volta das 2h da manhã e segundo o delegado, foi registrada por câmeras de segurança de empresas da região.

"Algumas empresas vão providenciar imagens, tanto da rua do crime, como de outras. Vamos ver se até segunda-feira conseguimos todas essas provas. Ainda é muito cedo", explicou Montoro. A vítima foi atingida com tiros no abdômem, pescoço, ombro, rosto, braços e perna. No total foram 22 perfurações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.