Luis Moura/Gazeta Press
Luis Moura/Gazeta Press

Polícia Militar e Ministério Público vetam torcida mista nos clássicos de SP

Presidentes de São Paulo e Corinthians haviam se unido para tentar ter torcedores dos dois times nas semifinais dos estaduais

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2017 | 16h10

A Polícia Militar de São Paulo e o Ministério Público de São Paulo são contrários à adoção de torcida mista nos clássicos das semifinais e finais do Campeonato Paulista. Os presidentes do São Paulo e do Corinthians, com o apoio do Palmeiras, queriam mudar a regra da torcida única, solicitando ingressos para a torcida visitante.

"Não existe nenhuma possibilidade de mudança. Nós conseguimos reduzir a zero os confrontos entre as torcidas. Qualquer alteração seria inoportuna e deveria ser analisada e estudada por um colegiado. Diante dos números, seria falta de responsabilidade voltar atrás na questão da torcida única", afirma Paulo Castilho, promotor do Juizado Especial Criminal e representante do Ministério Público nas discussões sobre torcidas organizadas em São Paulo.

Os números da Polícia Militar apontam o aumento no público nos clássicos da ordem de 38% e redução dos confrontos entre torcidas entre 2016 e 2017. "Acabaram os confrontos entre torcidas organizadas. A recomendação da Polícia Militar é que a torcida única permaneça", afirma Luiz Gonzaga Oliveira, tenente-coronel do 2º Batalhão de Choque e responsável pelo policiamento dos estádios da capital. Gonzaga faz a ressalva de que ainda não foi informado oficialmente sobre o desejo de mudança dos clubes.

A volta das duas torcidas foi sugerida pelos presidentes do Corinthians, Roberto de Andrade, e do São Paulo, Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, nesta terça-feira, durante o conselho técnico que definiu datas e horários da semifinais. Os dois clubes se sentiram prejudicados pelo fato de a outra semifinal, a partida entre Palmeiras e Ponte Preta, ter torcida mista por não se tratar de um clássico.

"A questão da torcida única é injusta. É ruim para o futebol. A gente vai solicitar. Não é só por conta do Palmeiras. Esse castigo por dado aos clubes da capital. Vamos fazer uma solicitação e vamos ver se seremos atendidos", afirmou o presidente Roberto de Andrade, do Corinthians.

O dirigente afirma que o ideal seria voltar à divisão meio a meio, com 50% dos ingressos para cada clube, mas reconhece que 10% da carga de ingressos para o visitante seriam suficientes.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.