Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Polícia Militar veta 'pau de selfie' nos estádios em São Paulo

Banimento acontece por questões de segurança; medida já foi tomada em outros lugares do país

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2015 | 18h48

Os torcedores que forem aos estádios de São Paulo acompanhar jogos do Campeonato Paulista e quiserem registrar o momento em câmeras ou celulares precisarão voltar a pedir para terceiros tirarem as fotos. Isso porque o selfie stick, bastão utilizado para acoplar câmeras e tirar fotos em grupo, entrou na lista da Polícia Militar de objetos proibidos nos estádios.

De acordo com a organização, o monopod pode ser utilizado como objeto de agressão e existe também o temor de que ele se transforme em arma de briga entre torcidas.

Batizado no Brasil de “pau de selfie”, o artigo está na moda e virou artigo disputado – alguns modelos saem por mais de R$ 100 – entre pessoas que gostam de registrar os mais variados tipos de situação para compartilhar em suas redes sociais. A moda também invadiu a Europa no rastro do sucesso das selfies, tipo de fotografia onde o personagem é, ao mesmo tempo, fotógrafo e fotografado.

“Existe uma preocupação porque esse objeto pode de fato se tornar um bastão e ameaçar a integridade das pessoas. Há uma resolução da Secretaria de Segurança nesse sentido. Essa legislação proíbe esse tipo de materiais”, explica o Tenente Vasconcelos, do 2º Batalhão de Choque da PM.

De acordo com a Lei 10671/03, Art. 13, Inciso II do Estatuto do Torcedor, é proibido “portar objetos, bebidas ou substâncias proibidas ou suscetíveis de gerar ou possibilitar a prática de atos de violência”.

São Paulo não é o primeiro Estado a adotar a proibição. O pau de selfie está vetado também nos estádios da Bahia, no Mangueirão (Belém) e também na Arena Grêmio, em todos por motivo de segurança.

A Inglaterra também entrou na onda, e Tottenham e Arsenal vetaram o acessório – mas por razões diferentes. Os ingleses receberam reclamações de torcedores incomodados com pessoas que atrapalhavam sua visão do gramado para tirar fotos em grupo. O Tottenham foi o primeiro a tomar a iniciativa, sendo seguido pelos rivais.

A PM está instruída a procurar pelo objeto durante a revista. “Quem estiver levando será informado de que a entrada é proibida, mas não podemos fazer uma apreensão dos objetos nem nos responsabilizarmos por ele”, explicou Vasconcelos.

O tenente frisa que a medida tem como principal objetivo a segurança de todos, e lembra que já existe uma lista de itens proibidos pela corporação.

“Nosso principal objetivo com este tipo de medida é, em primeiro lugar, garantir o bem-estar e a segurança do torcedor no estádio. E infelizmente esses materiais, assim como guarda-chuvas pontiagudos, por exemplo, podem ser utilizados de uma maneira incorreta.”

Para aqueles que não abrem mão da fotografia nem mesmo na hora de torcer pelo time de coração, o jeito será recorrer à “velha moda” e pedir para que alguém faça o retrato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.