Polícia prepara esquema especial para argentinos no Sul

A Polícia Federal, a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Rodoviária Federal e até o Exército estarão envolvidos em uma grande operação conjunta para o jogo da Argentina contra a Nigéria, nesta quarta-feira, em Porto Alegre. A expectativa das forças de segurança é que a capital gaúcha receba entre 100 e 120 mil turistas argentinos, somando entradas pela fronteira e por aeroportos, para a partida válida pela última rodada do Grupo F da Copa do Mundo.

GONÇALO JÚNIOR, Agência Estado

23 de junho de 2014 | 11h25

Agentes da PF que atuam dentro do CT do Galo, onde a seleção argentina está concentrada em Belo Horizonte, classificaram a partida desta quarta-feira como "de alto risco". O esquema de segurança tem duas preocupações principais. A primeira é quantidade de torcedores argentinos sem ingressos que deverão ir a Porto Alegre para tentar se aproximar de Lionel Messi e seus companheiros.

De acordo com a organização da Copa, 18 mil argentinos adquiriram entradas para o Mundial, mas as forças de segurança estimam que pelo menos o dobro de visitantes não tenha ingressos para o jogo desta quarta-feira. No Maracanã, um pequeno grupo de torcedores conseguiu invadir o estádio para a estreia da equipe, diante da Bósnia, no último dia 15.

A segunda preocupação da segurança é a presença dos chamados barra-bravas, torcedores argentinos que pertencem a facção radicais e violentas. No Mineirão, na partida entre Argentina e Irã, no último sábado, a Polícia Federal identificou dois torcedores com essas características que foram deportados por meio de um acordo internacional. O governo argentino já enviou uma lista de 2.100 torcedores com passagens pela polícia que podem tentar entrar no Brasil para acompanhar a Copa.

A Argentina, que já estava classificada antecipadamente para as oitavas de final, embarca para Porto Alegre no começo da noite desta segunda-feira. Nesta terça, fará um treino de reconhecimento do Beira-Rio, na capital gaúcha, antes de encarar a Nigéria no dia seguinte.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.