Polícia vai à sede da federação chilena após presidente pedir afastamento

A crise política que atinge o futebol das Américas chegou de vez ao Chile. Assim que acabou o jogo da seleção local com a colombiana, quinta-feira à noite, em Santiago, a Federação Chilena de Futebol (ANFP na sigla em espanhol) anunciou que o presidente da entidade, Sergio Jadue, pediu uma licença médica para se afastar do comando por 30 dias.

Estadão Conteúdo

13 Novembro 2015 | 13h57

A renúncia já estava sendo especulada ao longo de todo o dia no Chile, especialmente depois que se soube que Jadue viajou às pressas ao Brasil na segunda-feira à noite, supostamente sem prazo para voltar. A imprensa chilena indicava que, nos bastidores, suspeitava-se de que Jadue pretendia escapar de novos desmembramentos das investigações sobre a corrupção na Conmebol, órgão do qual ele agora é vice-presidente.

Jadue chegou ao Chile na quinta-feira na hora do almoço e, numa tumultuada entrevista coletiva, negou todas as especulações. Disse que veio ao Brasil para falar com Marco Polo del Nero (presidente da CBF) sobre uma reunião do Comitê Executivo da Conmebol e negou veementemente que iria renunciar, disparando a metralhadora contra "um dirigente que dá dinheiro falso" e que teria soltado o boato.

Ao fim do dia, sem dar maiores explicações, Jadue entregou o pedido de afastamento. Assim, quando a Polícia de Investigações (PDI) chegou à sede da ANFP, na manhã desta sexta-feira, no bairro de Quilín, em Santiago, não encontrou o dirigente.

Os policiais procuravam Jadue, o secretário-geral da ANFP, Nibaldo Jaque, e outros dois dirigentes clubísticos ligados à entidade: Antonio Martínez, do Everton, e Jorge Fistonic, do Deportes Iquique.

Os quatro foram intimados a depor num processo no qual a Justiça chilena investiga o pagamento de salários a dirigentes da ANFP, o que é proibido pela legislação local. "As notificações entregues esta amanhã não foram surpresa porque os membros dos diretório conheciam a investigação em curso e haviam sido informados de que isso aconteceria", explicou o departamento de comunicação da ANFP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.