Polícia vai acelerar inquérito da FPF

O delegado titular do setor de Investigações Gerais da 3ª Delegacia Seccional de São Paulo, Oscar Ferraz Gomes, afirmou que tem pressa em concluir o inquérito que vai apurar indícios de prática de crimes de apropriação indébita contra a Federação Paulista de Futebol apontados no relatório da CPI do Futebol. ?Quero fazer isto o mais rápido possível porque algumas das supostas infrações aconteceram por volta de 1996 e correm o risco de prescrever?, afirmou o delegado. Gomes tem 30 dias para fazer as investigações, mas está quase certo de que necessitará pedir à Justiça uma prorrogação de prazo. O material encaminhado para avaliação, segundo ele, é composto de um documento de 600 páginas, distribuídas em três volumes, e parte deste material contém informações sobre irregularidades encontradas em clubes que não fazem parte de sua investigação. ?Estabeleci como compromisso não deixar este ?abacaxi? para outro colega caso seja transferido no ano que vem?, afirmou Gomes. O encarregado do inquérito lembra que, como o Estado passará por eleições dentro de dois meses, a posse de uma nova gestão no governo deve significar mudanças na cúpula da Polícia Civil. Gomes afirma que todas as pessoas citadas em irregularidades contra a FPF na CPI serão chamadas para depor, mas ainda não há previsão de quando deverão ocorrer as primeiras intimações. O delegado considera a tarefa trabalhosa e o inquérito complexo, por causa das muitas pressões que poderá sofrer de pessoas influentes envolvidas.

Agencia Estado,

29 Agosto 2002 | 19h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.