Polícia vai atrás dos corintianos agressores

A polícia já começou a caça aos torcedores que jogaram ovos nos jogadores do Corinthians, terça-feira, em Cumbica. O delegado da Divisão de Aeroportos e Proteção aos Turistas, Naif Saad Neto, já tem uma fita gravada da Infraero e recortes de jornais para identificar os agressores.?Sei como funciona a relação entre os clubes e as torcidas. Mas não precisamos de acusação de ninguém. A confusão aconteceu no aeroporto de Cumbica. Deixou os passageiros em clima de terror. Foi um crime de perturbação do sossego. Vamos identificar os agressores e eles serão processados?, avisa Naif.A Polícia Militar irá até a sede da Gaviões da Fiel ainda esta semana para procurar os torcedores. ?Eu quero dizer que o problema não foi a agressão com os ovos, já que nenhum atleta se queixou. Os torcedores resolveram fazer a baderna no aeroporto. Isso não existe. O aeroporto não é a casa deles onde se pode jogar ovos, fazer batucada e tudo bem?, lembra Naif.O delegado diz que o crime de perturbação do sossego é um crime-anão. ?Ou seja: a pena é pequena. Eles não irão para a cadeia. Mas deverão pagar multa e descobrir que existe lei em São Paulo.?Naif é presidente do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista de Futebol e conselheiro do Palmeiras. ?Mas estou fazendo isso como delegado que viu acontecer um crime e vai tomar providência?, justifica.Os ovos de terça-feira deixaram a diretoria corintiana apavorada. Tanto que proibiu a assessoria de imprensa do clube de divulgar o horário que o time chegará nesta quinta do Ceará.O vice-presidente Roque Citadini, que embarcou sete horas depois da equipe, na terça-feira, garantiu que voltará com os jogadores. ?Viajei mais tarde porque tive de trabalhar. Não tenho medo dos torcedores?, jura.

Agencia Estado,

17 de março de 2004 | 19h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.