Políticos alemães são condenados por racismo na Copa

Três dirigentes do principal partido de extrema direita alemão foram condenados por incitação ao ódio racial e difamação por conta de um panfleto que distribuíram durante a Copa do Mundo de 2006.

AE-AP, Agencia Estado

24 de abril de 2009 | 17h48

Udo Voigt, líder do Partido Nacional Democrata, e o porta-voz Klaus Beirer receberam sete meses de prisão. Já o diretor jurídico Frank Schwerdt foi condenado a dez meses de detenção. O texto do panfleto insinuava que o defensor Patrick Owomoyela, de mãe alemã e pai nigeriano, era indigno de defender a seleção alemã.

O panfleto mostrava a tradicional camiseta branca da Alemanha com o número 25, de Owomoyela no Mundial, sobre a legenda: "O branco não é apenas a cor da camiseta. Por uma verdadeira seleção nacional".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.