Jorge Saenz; AP
Jorge Saenz; AP

Politização da prisão de Ronaldinho envolve Moro e demissão de assessor paraguaio

Ministro brasileiro pede informações, mas diz prezar a soberania do Paraguai; no país, político ligado a empresária cai

Raphael Ramos, Enviado Especial a Assunção, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 04h30

A prisão de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão ganhou contornos políticos no Paraguai. O ex-chanceler Rubén Melgarejo Lanzoni demitiu-se do cargo de assessor geopolítico e questões internacionais do Ministério do Interior após ser revelado que a empresária Dalia López, apontada como parte do esquema de falsificação de documentos, havia contratado um escritório de advocacia ligado a ele.

Já o presidente da República, Mario Abdo Benítez, garantiu que a investigação seguirá “caia quem cair”. Ele chegou a declarar na terça-feira sentir "enorme dor" pela prisão do pentacampeão mundial com a seleção brasileira. "Não posso negar que me provoca enorme dor o que está acontecendo com uma estrela do futebol. Meus filhos querem ir à prisão para tirar fotos com ele", disse em entrevista ao canal Noticias Paraguay.

Tudo isso, depois de o ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sergio Moro, ligar para o Paraguai pedindo explicações sobre a prisão de Ronaldinho Gaúcho, que é embaixador do Turismo do governo Bolsonaro. Ontem à tarde, Moro soltou nota oficial na qual confirma que manteve contato com autoridades paraguaias. “Em nenhum momento, houve interferência na apuração promovida pelo Estado paraguaio. O Ministério da Justiça e Segurança Pública preza pela soberania dos Estados e pela independência dos órgãos judiciários.”

Na terça-feira, inclusive, a ministra da Justiça do Paraguai, Cecilia Pérez, anunciou que Moro visitará o país no próximo dia 27 no "âmbito da cooperação penitenciária" que é realizada com Brasil. A viagem de Moro também foi debatida na terça-feira em reunião entre o presidente do Supremo Tribunal de Justiça do Paraguai, Alberto Martínez Simón, e o embaixador brasileiro, Flávio Damico.

Ainda na terça-feira, a Polícia Nacional prendeu três funcionários públicos no Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi, na cidade de Luque: dois servidores da Direção Nacional de Aviação Civil (Dinac) e um funcionário da Direção Geral de Migração. O trio estaria envolvido no esquema de falsificação de documentos no qual Ronaldinho e o irmão foram pegos. Na segunda-feira, já havia sido detido um outro servidor do setor de Migração.

Os advogados de Ronaldinho apontaram que o Ministério Público paraguaio trata ele e ao irmão com discriminação pelo fato de serem estrangeiros. O MP rebateu. “Tal coisa não existe. O Paraguai é um país legalmente soberano e essa soberania deve ser imposta. Contamos com fatos e argumentos sólidos para apoiar a prisão preventiva. Além disso, existe o perigo de fuga devido à falta de raízes dos réus no Paraguai”, disse o promotor Marcelo Pecci.

Após ter o pedido de transferência para prisão domiciliar negado na terça-feira, os advogados de Ronaldinho Gaúcho trabalham para recorrer à Segunda Instância. A defesa alega que o ex-jogador não sabia que o passaporte que deram a ele havia sido adulterado. Ronaldinho e o irmão estão detidos desde sexta-feira em um presídio de segurança máxima na capital paraguaia.

A Justiça determinou que eles precisavam permanecer presos durante a investigação. O inquérito pode durar até seis meses para ser concluído, de acordo com as leis paraguaias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.