Polônia expulsa 3.º torcedor russo durante a Eurocopa

A Polônia anunciou nesta terça-feira a expulsão do país de um torcedor russo que confessou ter usado fogos de artifício na direção de torcedores rivais durante um jogo da seleção russa nesta edição da Eurocopa. Ele é o terceiro torcedor do país a ser deportado de solo polonês por violar leis que vigoram nos estádios de uma das nações que recebem esta edição da competição continental - a Ucrânia é a outra sede do torneio.

AE-AP, Agência Estado

19 de junho de 2012 | 12h47

Por causa dos atos ilícitos que cometeram na Polônia, estes três torcedores russos deportados também perderam os seus vistos de entrada por cinco anos em países que fazem parte da União Europeia.

O escritório da província de Varsóvia dirigido pelo governador Jacek Kozlowski informou nesta terça-feira que este último torcedor deportado foi condenado em um julgamento rápido, no qual ele foi acusado de ter disparado fogos de artifício durante o jogo do último sábado, entre Rússia e Grécia, em Varsóvia, que terminou com vitória por 1 a 0 dos gregos e acabou eliminando os russos desta Eurocopa.

Os outros dois torcedores russos condenados foram deportados na última sexta-feira por se envolverem em brigas de rua e terem invadido o campo de jogo durante o confronto entre Polônia e Rússia, na semana passada, em Varsóvia.

Também na semana passada, a Uefa anunciou que multará a Federação Russa de Futebol em 120 mil euros pelas brigas entre russos e poloneses, antes e durante a partida entre as seleções destes países pela Eurocopa. Na ocasião, cerca de 24 pessoas ficaram feridas, e outras 184 foram detidas, quando torcedores se enfrentaram em Varsóvia.

Para minimizar a repercussão negativa mundial destes conflitos, a Uefa qualificou os mesmos como "incidentes isolados" na semana passada, mas o fato é que esta edição do torneio tem sofrido com problemas de violência e racismo nos estádios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.