Ponte abre nova crise no Palmeiras

Apático em campo e desestabilizado emocionalmente, o Palmeiras, mais uma vez, tropeçou diante da Ponte Preta, em Campinas, perdendo por 3 a 2. Após uma semana com maior tranqüilidade, após a vitória, nos pênaltis, contra o Rio Branco, a crise parece voltar ao Palestra Itália. O destaque do jogo, foi Marco Aurélio. Mas não trata-se do técnico do Palmeiras, que novamente vê sua permanência no cargo ameaçada. Quem brilhou foi o seu xará, o meia da Ponte Preta. Além de marcar um gol, Jacozinho, como é chamado pela torcida campineira, deu o passe para os outros dois gols do time, de Piá e Washington.Desatentos, errando muitos passes e reclamando bastante da arbitragem, os atletas do Palmeiras foram completamente envolvidos pela Ponte Preta na primeira etapa, que começou a partida pressionando e logo aos 8 minutos abriu o marcador. Piá recebeu na linha de fundo, pela direita - a defesa apenas olhava, pedindo impedimento - e cruzou para Marco Aurélio, de sem pulo, finalizar.A pressão era grande. Enquanto o Palmeiras nada produzia, o contra-ataque campineiro era mortal. Aos 23 minutos, Mineiro chutou e Sérgio desviou para escanteio. Marco Aurélio cobrou, o goleiro falhou e Piá, livre, ampliou: 2 a 0. Com a situação desfavorável, o treinador do Alviverde, ainda no primeiro tempo, era motivo de chacota das duas torcidas. Os palmeirenses protestavam, com faixas de ponta cabeça e pedindo a saída do treinador e os campineiros o chamavam de corintiano - fazendo alusão ao maior adversário do Palmeiras.A situação piorou ainda na primeira etapa. Endiabrado, o meia Marco Aurélio volta a infernizar a esburacada defesa inimiga. Após tabelar com Macedo, rolou para Washington marcar seu sétimo gol na competição, o terceiro da equipe. No intervalo, o técnico Marco Aurélio, deu uma bronca em seus comandados. O time voltou com maior disposição. Oportunista, Tuta, aos 8 e aos 10 minutos, descontou: 3 a 2. Observando a reação do adversário, o técnico Nelsinho Baptista reforçou a marcação, com as entradas de Dionísio e Fabinho. A Ponte Preta soube administrar a vitória e chegou a vice-liderança da competição, com 13 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.