Ponte adota política do bom e barato

A diretoria da Ponte Preta anunciou que vai apostar na política do bom e barato para a disputa do Campeonato Brasileiro. Depois de ser obrigado a aceitar as condições impostas pelo Clube dos 13 (R$ 3 milhões mais despesas de viagem e acomodações), o presidente Sérgio Carnielli disse que não cometerá excessos e que a torcida terá que se acostumar com um time formado, em sua maioria, por jogadores revelados no próprio clube."Não adianta ficar falando em medalhões como Luciano Baiano e Elivélton. Esses jogadores já fazem parte do passado. A partir de agora temos que nos preocupar com quem está defendendo a camisa da Ponte. Pode não ser um time de jogadores conhecidos, mas que vão honrar a camisa como fizeram domingo em Porto Alegre contra o Inter-RS", explicou.O dirigente aproveitou ainda para criticar a forma como teve que assinar o contrato com o Clube dos 13. "Eles foram minando a Ponte Preta fazendo com que os outros clubes excluídos do Clube dos 13 (Criciúma, Figueirense, Paraná, Juventude, Fortaleza, Paysandu e São Caetano) aceitassem as suas condições. No final só sobrou a gente e não tivemos outra escolha. É muita injustiça o que eles fazem. Quem não queria uma verba grande? Mas só nos dão esmola", alfinetou o cartola.Ele confirmou que a folha de pagamento do ano passado era de R$ 800 mil mensais e que, agora, não poderá ficar muito acima dos R$ 200 mil. O vice-presidente Marco Antônio Eberlin também aproveitou para criticar a atitude dos demais integrantes do denominado Grupo dos 8. Para ele, times como o São Caetano, que têm um grande patrocinador, já leva vantagem sobre os demais. "O São Caetano, só de patrocínio com as Casas Bahia, recebe cerca de R$ 450 mil. Assim não dá para competir com eles", disse Eberlin, lembrando da saída do lateral Elivélton para o time do ABC Paulista.Apesar de nenhuma das duas diretorias confirmar, o jogador estaria recebendo R$ 200 mil de luvas mais R$ 50 mil de salários por mês até o final do Brasileirão.Escalação - Quanto ao time que enfrenta o Juventude, domingo, no Majestoso, o técnico Abel Braga ainda tem dúvidas. Para a vaga de Rodrigo, suspenso, entra Luís Carlos. Já o lugar deixado por Piá, que fraturou o pé esquerdo, ainda não tem substituto definido. É possível que o atacante Vaguinho seja deslocado para o meio e Adrianinho atue como um segundo volante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.