Ponte comemora convocações

Uma bateria de rojões ecoou pelo estádio Moisés Lucarelli, pela manhã, confirmando a convocação de dois jogadores da Ponte Preta para a seleção brasileira. O centroavante Washington, emocionado, chorou pela primeira convocação, enquanto Mineiro manteve a humildade.De olheiras, por uma noite mal dormida, Washington se sentia aliviado, depois de vários dias de muita ansiedade. Ele passou à noite lendo alguns livros para tentar esquecer a convocação, que foi comemorada com muita emoção. No gramado do Moisés Lucarelli, abraçado ao pai e falando com a mãe por telefone, Washington não conteve as lágrimas. "É um objetivo alcançado. Agora vou lutar para ganhar meu espaço", comentou. Ele também garante estar honrado de ter seu nome ao lado do ídolo Romário e espera ter a chance de começar jogando, embora nunca tenha atuado no Morumbi.Washington, de 26 anos, tem seu ponto forte a jogada aérea, facilitado pela sua alta estatura, 1,89 m, e por sua grande envergadura. Cabeceia, chuta com as duas pernas, mas é um atacante do tipo que, às vezes, perde gols incríveis. Mas sua média é excepcional. Na Ponte, por exemplo, ele já atuou 52 vezes, marcando 41 gols. Ele também deixou rastro de seus gols no Caxias-RS, tornando-se seu maior artilheiro com 86 gols, marcou 10 gols pelo Internacional-RS e mais 32 gols pelo Paraná clube. No começo da temporada ele teve seu passe comprado pela Ponte Preta por US$ 600 mil.Mais tranqüilo estava o volante Mineiro, chamado pela segunda vez. Ano passado ele foi relacionado para o jogo contra a Colômbia, mas ficou na reserva. "É importante estar no grupo. Vou manter a mesma determinação de sempre", comentou.O técnico Nelsinho Baptista não escondia a satisfação por ter seus jogadores na seleção. Para ele, Leão poderia ter chamado mais "dois ou três jogadores da Ponte", referindo-se ao goleiro Alexandre e ao meia Piá, que saiu rapidamente do treino, sem esconder sua decepção.A diretoria da Ponte comemorou a vitória de seus jogadores, destaques no Campeonato Paulista. Há 19 anos o clube não tinha dois jogadores convocados ao mesmo tempo - em 1982 foram relacionados o goleiro Carlos e o zagueiro Juninho. O clube tem tradição de revelar zagueiros, como Oscar, Polozi, Juninho, Nenê Santana, André Cruz e, recentemente, Fábio Luciano, agora no Corinthians. E também ficou tradicional com sua escola de goleiros, revelando, entre outros, Carlos, que disputou três Copas do Mundo, e Sérgio, ex-Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.